Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




das trivialidades

por M.J., em 26.02.14

este fim de semana vou para guimarães. estive lá em tempos, noutra vida, acho eu, com pessoas que morreram naquilo que sou. faço questão de ir agora, de novo, neste outro mundo que tenho e que sou.

no fim de semana que passou andei em plantações. estavam dias magníficos de sol e luz. comprei uma planta de seis euros para pôr num canto da sala, por baixo de uma prateleira que tem as minhas caixas de música (algumas das). ficou catita. o moço, no entanto, todos os dias pega no vegetal e põe-no à janela, em frente à varanda para apanhar sol. e é incrível como não se esquece e tem a preocupação de o fazer. eu, mal a transplantei para um vazo bonitinho, esqueci-me de a regar.

na quinta feira passada fui a um jantar demonstração da bimby. foi do mais bonito que se possa imaginar. depois de um dia de merda, cansada, chateada como sempre fui jantar a casa de uns amigos. eu sabia que a senhora da bimby ali ia estar, mas pensei, muito seriamente, que me ia fazer o jantar e tentar impingir a máquina no espaço de uma hora. pois meus senhores, era meia noite quando comecei a jantar. depois de rogar muitas pragas entre dentes e arrepender-me mil vezes. a moça que vendia aquela cena era tão chata como larga. durante grande parte da noite julguei que estivesse prenha, e perguntei timidamente aos nossos amigos quando ela foi à rua buscar qualquer cena ao carro. disseram-me que sim, e que estava prestes a nascer um pote de manteiga. juro mesmo que julguei que estivessem a fazer uma analogia a um puto gordo, tendo em conta a mãe. depois o moço disse-me preto no branco que ela estava só gorda. a partir daí deixei de ter paciência. já não era uma muito grávida a tentar impingir-me uma bimby, mas uma muito gorda a mandar piadolas tristes sobre a yami e a tentar ser vendedora no pior sentida da palavra. deixei de a ouvir e acabei mesmo por lançar no ar que aquela treta não fazia pizzas, mas sim a massa das pizzas e que isso, também uma máquina de pão de cinquenta euros do pingo doce faz. já depois quando jantávamos à meia noite (fodasse meia noite) mostrou-nos os preços. meus senhores: novecentos e qualquer coisa euros. achei aquilo tão absurdo que me apeteceu enfiar-lhe o frango mal cozido pela cabeça abaixo e perguntar se ela estava maluquinha. acabei por me vir embora, sem dizer nada e com uma puta de uma má disposição.

ontem fui para lisboa o dia todo em julgamento. deixei ficar o carro na mealhada e quando cheguei, já tarde, muito escuro, perdi-me e em vez de ir ter a aveiro fui ter a cantanhede.

e hoje chove.

 

a minha vida é uma espécie de comédia dramática, meia amanteigada.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:14