Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




amamentação

por M.J., em 03.08.18

a dança da gravidez e as constantes alterações hormonais fazem-me, algumas vezes, dizer isto hoje e amanhã aquilo.

depois do choque inicial (anda por aqui escrito em algum lado o relato do assunto) tenho vindo a alterar ideias e o que pensava há vinte minutos não é bem o que penso neste segundo.

 

 

que altero os meus padrões e as minhas convicções não é novidade (basta ver o desenvolvimento deste blog) mas nunca me aconteceu desta forma tão rápida.

 

posto isto, o assunto hoje é amamentação.

e as minhas ideias - hoje - não vão de encontro ao que a maioria (ou quase toda a gente) apregoa: sempre achei que não iria, de todo, absolutamente de todo, amamentar.

jamais vi beleza no ato e sempre que assisti de perto ao desenrolar da coisa (com amigas ou familiares) fiquei chocada q.b. com o sacar da mama para fora e escarrapachar lá uma boca, alimentando alguém com um liquido produzido por mim.

a cena afigurava-se-me quase dantesca e, juro, totalmente atroz. 

e se para vocemecês é muito bonito, ainda bem, fico feliz. 

 

na verdade, estou-me ligeiramente a borrifar se alguém amamenta em público (cada um é livre de fazer o que quiser, incluindo andar de mama ao léu mesmo sem amamentar, só por gosto - são só mamas, pelo amor de deus); se passa o dia inteiro sentada a fazer do mamilo esquerdo ( ou direito) chupeta ou se assume que é a coisa mais maravilhosa do mundo.

são opiniões, decisões próprias e respeito-as.

mas sinto que quem pensa o contrário (e não quer nada disso) é visto como a escumalha das mães, a irresponsável egoísta e a desgraçada que devia ter as trompas laqueadas porque não o quer fazer.

são dois pesos duas medidas: a mãe é que sabe o que é melhor desde que seja aquilo que essa mesma mãe pensa.

temos pena: comigo não pega.

 

por isso, quando fiquei grávida não foi espanto para ninguém o meu aviso, desde o início, de que não iria amamentar. as mamas são minhas. o corpo é meu. eu é que decido. 

ninguém tentou contrariar-me (na verdade, naquele estado inicial era impossível alguém dirigir-me sequer a palavra). a mamã ainda tentou, um dia, dizer que devia ponderar melhor, mas perante o meu ar calou-se com o assunto e decidiu que o melhor mesmo era esperar e ver no que dava.

a ideia era tão constante no meu cérebro que, a par com o medo de morrer no parto (realíssimo de tal modo que passei noites inteiras - já disse que aqueles 3 meses foram horríveis de todas as maneiras? - a chorar, convencidíssima que ia morrer a parir - hei-de falar sobre isto) se tornou uma obsessão.

fazendo uma pesquisa na internet não encontrei ninguém (NINGUÉM), nem um único relato de mães ou grávidas que sentissem o mesmo que eu:

só existem pregões a incentivar a beleza, a maravilha, o fantástico de ter um ser a comer nas nossas mamas.

só existem avisos, alertas, frases feitas de que sim, é obrigatório, imperativo, essencial dar de mamar e ai de quem fizer o contrário.

 

das duas uma: ou sou a única (e pode bem acontecer) ou, quem sente o que eu sinto recusa-se a falar sobre isso, no medo das criticas. 

 

vi de tudo:

  • comissões de proteção de menores chamadas aos hospitais por mães se recusarem a amamentar;
  • centenas de gritos de que deve-se tentar a amamentação mesmo que doa, custe ou seja difícil porque isso é o mais importante; e até...
  • blogs de maternidade, que apregoam que as mães devem ser felizes, contentes e sorridentes, desde que o feliz, contente e sorridente inclua a amamentação. se não fores amamentar bem que te podes lixar e ser infeliz, triste e chorosa: amamentas e calas-te.  

resultado: quanto mais lia nesse sentido mais do contra me sentia: não. jamais. aqui não.

 

e as vozes todas:

mas isso é o melhor para a criança e estás a ser egoísta,

e eu a responder,

pois claro, o melhor para as crianças também é nascer num casamento em que os pais se respeitem e gostava de saber a média desses;

ou o melhor para a criança não é nascer numa casa em que se passa meio mês à espera do final do mês porque o dinheiro mal chega para as despesas básicas e o que há mais por aí é isso;

o melhor para a criança seria que os pais não os levassem à praia ao meio dia em tardes de quarenta graus à sombra e basta ver a quantidade deles;

o melhor para a criança era ter pais dispostos a comprar todas as vacinas recomendadas (mesmo as não comparticipadas) pelos médicos e há deles que mesmo que fossem vender certas partes do corpo não tinham massa para as comprar. 

o melhor para a criança era ter pais que impusessem limites e não os ensinassem a ser pequenos ditadores e há deles que até acham que faz sentido pedir a um recém nascido autorização para lhes mudar os cueiros cagados.

enfim, o melhor para a criança, acredito eu, é aquilo que resultar para ela e para quem cuida dela. e este mantra ninguém mo tira e (não) temos peninha.

 

a coisa angustiou-me a pontos de um dia, na consulta com a minha médica, desatar em prantos.

lembrava-me de uma familiar que mesmo com os mamilos rachados, cheiinhos de sangue, viu as enfermeiras na maternidade (logo no dia a seguir ao parto) insistirem, numa espécie de bate o pé e é assim e é, a moça ainda meia traumatizada do parto, e elas constantemente a insistir para ela enfiasse o mamilo na garganta do puto, mesmo que aquilo lhe provocasse dores atrozes.

ou de relatos de mastites, leite empedrado, sangue a escorrer e as sete pragas do inferno concentradas nas mamas.

e eu em prantos, soluços mesmo, a tentar explicar à médica que não queria, mas que sentia uma pressão enorme para isso e que só me apetecia cortar as duas mamas e acabar-se a história. e quanto mais chorava mais a médica me tentava acalmar até eu descobrir (como já devia saber) que aquela não é das fundamentalistas e que me arranjou ali mil alternativas, me descansou quanto à minha convicção e repetiu o meu mantra: não resultará para a criança se a amamentação me causar a mim, enquanto mãe, tal sofrimento. seja físico, seja psicológico. 

 

pronto.

foi nessa altura que me tiraram todos os quilos que tenho a mais de cima dos ombros.

ela entendia.

aquela médica entendia e estava disposta não só a respeitar a minha decisão, como a ajudar-me nesse sentido.

 

resultado: hoje pondero na amamentação cruzada (será assim que se diz?). ou seja, meio, meio:

as minhas mamas serão um frigorífico a meio tempo. o outro meio será responsabilidade do paizinho que, munido de dois biberons (ou três, nisso podemos esbanjar) terá o mesmo direito e dever que eu de alimentar a cria.

 

um dia - juro que é verdade - fui à maternidade visitar uma recém mamã que ainda estava meia zonza da anestesia da cesariana (a coisa complicou um nadita no parto normal) e vi o marido - e pai da criança - quase aos gritos a dizer-lhe para tirar a mama para fora que o puto estava a chorar de fome e era responsabilidade dela estar sempre prontinha e apta, mesmo que estivesse na cagadeira. 

se aquilo tivesse acontecido comigo ia pai da criança, criança e as minhas mamas, todos juntos, tirar leitinho de uma cabra que não eu. 

é que só faltava.

 

então e o que te fez mudar de ideias, m.j., quanto ao assunto de amamentar?

não sei.

não foi de certeza as mil frases escritas por todo o lado a apregoar, incentivar (diria praticamente obrigar) a coisa (na verdade isso só me motivou ao contrário). tenho antes a sensação que foi o lado prático da questão (ter ali leite sempre à mão e não ter de andar para trás e para frente a misturar pó e água) aliado à minha veia sovina de vinte euros por uma lata de leite que dura uma semana. 

para já estamos neste ponto. daqui a 4 meses logo falamos.

 

mas repito e que seja ponto assente:

estou disposta a dar o melhor que tenho (e não tenho) para esta criança com algumas restrições: sem nenhum fatalismo, fundamentalismo ou coisa e tal. se me provocar sofrimento que pode ser evitado, evitado será.

 

podes crer meu filho: isto entre nós vai ser uma parceria. no entanto, quando não chegarmos a consenso... lamento mas quem manda sou eu. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10


22 comentários

Sem imagem de perfil

De M a 03.08.2018 às 14:02

Concordo perfeitamente com o que dizes! Acho que se passou de um extremo de supostamente se desincentivar a amamentação e recomendar logo o leite adaptado (pelo menos é o que as defensoras da amamentação dizem), para o outro extremo de glorificar a amamentação e fazer sentir mal quem não opta por esse caminho.

Eu estou grávida e quero tentar amamentar. Porque reconheço que tem benefícios face ao leite adaptado, porque me parece mais prático e porque já li que para a própria saúde da mulher no pós-parto (e emagrecimento) é melhor. Mas se estiver a ser um enorme sofrimento, não terei problemas em recorrer ao leite adaptado.

Aquilo que não percebo é toda a conversa e quase "activismo" de tantas mulheres em relação à amamentação. Resultou para vocês e gostam de aos 2 anos da criança ainda o fazerem? Óptimo! Mas não impinjam essa ideia a todas as que vos rodeiam, não estejam sempre a falar disso, não tratem o tema como se fosse uma "vitória", uma "conquista", uma "meta" a atingir. É a alimentação de uma criança. Que também faz xixi, cocó, dá-se-lhe banho, tenta-se adormecer, etc... são tudo coisas normais. Porque dá a amamentação tema para tanta guerrilha, porque vos interessa tanto qual a opção das outras mães? Deve haver informação apenas, não pressão.

Para além de que vivemos num país desenvolvido, felizmente com bom acesso a comida de qualidade, medicamentos e cuidados de saúde, por isso não é assim tão fulcral e decisivo no futuro dos nossos filhos o amamentar pouco ou muito, mais importante é a sanidade e o bem-estar de ambos os pais. Há mil e uma condicionantes que podem fazer do vosso filho uma pessoa saudável, desenvolvida, com defesas, etc... a amamentação é uma delas, mas há tantas outras tão ou mais importantes.

Acho que sob a capa de "incentivar outras mulheres" se chegou ao extremo de as maltratar e soarem a loucas com esses relatos. E acho que é uma coisa muito da internet. No mundo real isso é pouco ou nada relevante (nunca me tinha apercebido desse fanatismo até pensar em ter filhos e fazer umas pesquisas na net), ninguém quer saber se amamentas ou não, tenho exemplos entre amigas já mães de quem nunca o fez, fez durante poucas semanas/meses e quem já faz há anos.
Imagem de perfil

De M.J. a 03.08.2018 às 14:08

é que é mesmo isso.
não consegui explicar tão bem como tu.
é uma espécie de terrorismo da amamentação. uma espécie de "sou muito melhor do que tu porque além de ter aguentado as dores do parto ainda aguentei as dores nas mamas e tu não".
poupem-me. já não se aguenta.
pensei muito em escrever este post porque tendo em conta o que li em blogs da maternidade (tudo muito amor desde que se concorde em pleno com algumas das barbaridades que apregoam) achei que ia ser crucificada.
mas pensei que caraças, não devo ser a única e há-de haver pelo menos uma mulher no mundo que se sinta como eu.

vou tentar amamentar.
mas não em exclusivo e acaba-se se me causar sacrificio.
estou disposta a velar sonos, não dormir, estar sempre presente, educar, ensinar e amar o melhor que sei mas com peso, conta e medida. e optando pelas soluções que façam bem aos dois: a mim e a ele (ou aos três, que o pai também entra na equação).
Sem imagem de perfil

De M a 03.08.2018 às 14:39

É mesmo esse terrorismo! Tenho uma amiga que foi mãe há 1 ano e virou completamente para esse mundo. Só posta coisas relacionadas com a amamentação, está sempre a pôr fotos dela e do filho nesses momentos, usa uns pins para assinalar que já amamenta há 6 meses, depois 1 ano, etc (tipo passar do alfinete prateado, para o dourado, para o platina lol), comprou uma série de merchandising incentivador da coisa tipo t-shirts, canecas, sacos de lona, etc. A mim parece-me tão triste e obsessivo que um assunto tão normal e quotidiano como seja o alimentar uma criança se tenha transformado numa causa e num activismo de algumas. Mas porquê e para quê? É algo tão pessoal e íntimo, não percebo este expor da sua opção ao mundo e necessidade constante de o mencionar como um feito.

Mas relax! Porque acho mesmo que é uma coisa de nicho. Simplesmente está mais presente em blogs, facebook, instagram etc porque foi a maneira que tiveram de se conectar e de espalhar "a mensagem" ao mundo, tendo tido mais projecção recentemente (é uma coisa um bocado millenial também, o "voltar às origens", ao "que sempre foi natural mas a big pharma corrompeu"). Mas há milhares de mulheres fora desse extremo e que simplesmente estão abertas a ver o que resulta com elas, sem julgamentos.
Imagem de perfil

De Quarentona a 03.08.2018 às 16:29

Para mim, isso da tua amiga tem a designação de LOU-CU-RA! Com o devido respeito à senhora... pins?! Ó meu Deus...
Sem imagem de perfil

De M a 03.08.2018 às 18:31

Ela no restante até é uma pessoa bastante normal ahah. Eu acho que isto, tal como qualquer obsessão, tem uma explicação psicológica. Ela não teve uma infância muito fácil nem uma família próxima ou suportiva, está com o marido no estrangeiro sozinhos e estão agora a constituir a família deles, por isso ela é muito apegada ao bebé, passa muito tempo sozinha com ele e acho que isto da amamentação é uma maneira de o demonstrar. Também teve uma boa experiência durante esse processo e deve ser um momento de grande proximidade entre os dois e ela deve gostar de o sentir assim a precisar dela e a querer o seu carinho, deve sentir que é uma demonstração de afecto da parte dele. Já não é só alimentação, acho que já há ali algo mais. Depois juntou-se a este grupo de pessoas pela internet fora que partilham da mesma visão e incentivam isto e isso dá ainda mais fogo à causa. Mas é capaz de lhe passar... Se bem que ela quer ter mais filhos, por isso o tema ainda vai andar por aí mais tempo ahah.
Imagem de perfil

De M.J. a 03.08.2018 às 17:43

nem me digas que há merchandising incentivador da coisa. tenho uma amiga dotada de um humor tão negro que é menina para me oferecer isso :D

é. amamentar tornou-se digno de uma espécie de olimpíadas da mama. há medalhas de ouro, prata e bronze e as pessoas fazem questão de o apregoar bem alto não vá os que ficam atrás na corrida não perceberem o mérito que elas têm.

faz-me lembrar gente gorda (como eu estou agora) que quando emagrece começa que nem maluca a colocar fotografias nas redes sociais todos os dias indicando os quilos perdidos, não vá aquele assunto tão pessoal e que só a ela interessa ser desconsiderado pelo resto do mundo.

não tenho pachorra.

por mim podem amamentar até a criança ter a carta de condução. não me tentem é forçar a fazer o mesmo.
obrigada pelo teu comentário.

Comentar post



foto do autor