Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




analisando

por M.J., em 10.08.15

sou egocêntrica, teimosa e rancorosa.

uma mistura magnifica para o desastre na relação com o resto do mundo.

 

e ainda assim, consigo dizer os três ou quatro nomes das pessoas por quem deixo de o ser. constantemente.

há quem lhe chame amor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Sarabudja a 11.08.2015 às 10:17

Não somos as mesmas pessoas sempre.
A essência está lá, mas há pessoas que têm o dom de puxar o melhor até do nosso pior.

Imagem de perfil

De M.J. a 11.08.2015 às 14:41

acreditas mesmo nisso?
Sem imagem de perfil

De Sarabudja a 11.08.2015 às 14:51

Muito! E cada vez mais.
Ouvi por aí que dois homens podem falar da mesma mulher sem suspeitar que de uma só se trata.

Há pessoas que nos fazem tão bem que não nos dão espaço, hipótese ou vontade de ser outra coisa que não o melhor de nós.
Outras que conseguem fazer vir à luz do dia as nossas trevas.

Não falo com jesus, nem gosto do cabelo da filha do solnado (mas sinto uma admiração grande para generosa forma como o pai dela tratava a nossa língua), mas acho que há qualquer coisa de espelho na forma como lidamos com algumas situações e pessoas.
Imagem de perfil

De M.J. a 11.08.2015 às 15:03

a minha psicologa dizia-me o mesmo.

tu és ela?
Sem imagem de perfil

De Sarabudja a 11.08.2015 às 15:16

Não, mas já te escrevi que sou boa a traçar perfis.

Gosto tanto, tanto de pessoas que me dou ao trabalho de as tentar perceber. Não calço sapatos, são faço os caminhos, mas o certo é que tento perceber o que são e sentem.
A tua psicóloga, como todos os que minimamente entendem de treinar o outro para conviver consigo mesmo, deu-te as ferramentas, as básicas.
Imagem de perfil

De M.J. a 11.08.2015 às 16:01

eu é mais ao contrário. não gosto de pessoas mas gosto de as observar. vonto uma história real: um dos meus passatempos de miuda, adolescente para ai, era ficar sentada num sitio com gente e imaginar histórias para cada pessoa que passava. e quase acreditava que tudo o que eu olhava era real.
quando contei a uma professora ela disse-me que eu devia escrever isso. eu assim fiz.
Sem imagem de perfil

De Sarabudja a 11.08.2015 às 16:08

Bem me contam os meus pais que havia mais um embrião quando eu nasci. Eras tu? Tu és eu em obscuro?
Imagem de perfil

De M.J. a 11.08.2015 às 16:15

posso ser. mas eu sou egocêntrica até ao tutano, coisa de filha única dizem.
Sem imagem de perfil

De Sarabudja a 11.08.2015 às 16:21

Pois não sei. Acho que sou, mas não até ao tutano. Aliás, acho que fica bem à superficie, onde todos podem ver.
Imagem de perfil

De M.J. a 11.08.2015 às 16:22

também sou à superfície. tem que se mostrar ao mundo com o que o mundo pode contar.
Sem imagem de perfil

De Sarabudja a 11.08.2015 às 16:26

Se mostrares o pior e alguém ficar, merece o melhor. Devo ter lido esta caquinha numa folha de cheirinho coleccionada nos idos 90. Ou li na ragazza ou no facebook.

Imagem de perfil

De M.J. a 11.08.2015 às 16:32

superpop?
Sem imagem de perfil

De Sarabudja a 11.08.2015 às 16:35

Sei lá eu! Superpop não é para lavar a loiça?
Imagem de perfil

De M.J. a 11.08.2015 às 16:37

era uma revista, minha cara, uma revista bonita.

Comentar post