Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




banalidades

por M.J., em 15.09.17

por mais que me levante cedo não consigo ser pessoa antes de passar, no mínimo, uma hora desde que acordei.

é verdade.

não tenho fome, arrasto-me pela casa e todo o meu corpo grita que devia voltar para a cama, desde os olhos inchados como dois balões, os braços que me pesam, a cabeça que teima em tombar.

deixo, por isso, que passe algum tempo até conseguir raciocinar.

abro as janelas e olho a vida invariavelmente de sol nos últimos meses. rego as plantas da cozinha mesmo que elas gritem que estão inundadas de água. vejo a meteorologia numa aplicação do telemóvel que erra mais do que acerta. abro a agenda e percebo as coisitas mil que tenho de fazer. 

uma hora depois estou mais ou menos pronta para começar a ser. 

 

o problema é que a vida não se compadece com este meu atraso matinal.

às vezes há telefonemas ainda eu estou a coçar os olhos. atendo tentando manter uma voz clara enquanto conto os pássaros das árvores em frente. discuto questões importantes no meio de um café ou outro, muito quente que inunda a cozinha de um odor enérgico e enjooa as plantas, de pijama e chinelo no pé.

rogo pragas mentalmente ao forçar do meu acordar, tão lento, tão vagaroso. 

 

quando era miúda levantava-me antes das sete e apanhava o autocarro escolar para quase quarenta minutos de viagem entre a serra. em dias de geada acordava ainda antes de estar acordada e não havia a necessidade de me arrastar pelas divisões da casa como uma velha já morta. comia pão com manteiga e água castanha com cevada. e quando era mesmo miúda ia com a avó tirar leite à vaca que bebia, depois já em casa, por uma caneca de latão.

e não havia plantas enojadas com o cheiro da cafeína.

nem estudos a condenar a lactose.

só a vaca pinta e a avó a dar-me a melhor parte do leite. 

 

o problema minha cara, constato enquanto vejo sair os vizinhos, é que não adormecias às duas da manhã com a barriga cheia de porcarias da internet, vistas num telemóvel em frente aos olhos. ias para a cama às dez, depois de meia novela da noite e dormias como uma pedra, sem interrupção nem do carro do padeiro às quatro da manhã.

e pensar que disse, tantas vezes, perante um amuo na hora de dormir:

"quando for grande!"

 

quando fores grande arrastas-te pelas divisões achando que estás velha e que precisavas da cama da tua infância e das mãos da tua mãe a aconchegar-te os cobertores antes de dormir. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

oh vai ver ali:

publicado às 11:00


10 comentários

Imagem de perfil

De Cá coisas minhas a 15.09.2017 às 11:14

Tão bom M.J. Tão bom.
Imagem de perfil

De M.J. a 18.09.2017 às 14:35

é dos teus olhos.
Imagem de perfil

De VeraPinto a 15.09.2017 às 11:54

A última vez que saí da cama completamente desperta nos últimos anos foi ontem, quando percebi que tinha adormecido e faltavam 15 minutos para estar numa reunião, que só era das mais importantes da minha vida.
E para além de vestir, entre outras coisas, tinha uma IC19 cheia de trânsito, com 1 hora de viagem para fazer até lá.
O que vale é que não fui a única a atrasar-me.

Também tenho saudades de conseguir acordar cedo, desperta e ser produtiva assim que acordo. Para mal dos meus pecados, só trabalho bem à noite, mas tenho que estar no trabalho por obrigação desde as 9h00.
Imagem de perfil

De M.J. a 18.09.2017 às 14:34

estou a dever-te um e-mail.
bem sei.

(era só para dizer que não esqueço isso).
Imagem de perfil

De Sofia Black a 15.09.2017 às 12:01

Muito bom. Sempre acordei sem problemas e bem disposta mas com a idade, fico presa à cama e custa-me tanto levantar.
As aulas entretanto começaram e a actividade em casa começa agora mais cedo. Tão cedo que hoje consegui fazer tanta coisa antes de vir para o trabalho que achava que o relógio tinha parado.
Imagem de perfil

De Sofia Marques a 15.09.2017 às 12:01

Essa parte final diz tudo!! Ahahahahah
Imagem de perfil

De David Marinho a 15.09.2017 às 19:20

Tudo isso é verdade. Esta dependência mata qualquer pessoa...
Imagem de perfil

De M.J. a 18.09.2017 às 14:34

custa-me chamar-lhe dependência mas, cada dia que passa, começo a achar que sim.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.09.2017 às 10:56

Deixaram de vender "divertimentos" sem telemóvel. Ou então é demasiado difícil de encontrar. E com isso traz o isolamento das pessoas, de famílias já que os país também entraram na moda...
Sem imagem de perfil

De Joana B. a 18.09.2017 às 15:24

Custa-me tanto acordar cedo e tenho de estar todos os dias no trabalho às 9h.
Gosto de deitar-me tarde e acordar tarde, o que faz com que normalmente me deite às 2h ou 3h da manhã e depois custa-me tanto a levantar para ir para o trabalho...
Depois de acordar prefiro não falar e que não me façam perguntas, também demoro mais ou menos uma hora até conseguir raciocinar e conseguir ter uma conversa ou responder a perguntas.

Comentar post



foto do autor