Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




banalidades

por M.J., em 29.10.15

acendi pela primeira vez a lareira, ontem à noite, nesta casa. cheira a inverno, os cedros voam na rua e os dióspiros amadureceram finalmente todos, ao lados dos kiwis, colhidos ainda verdes.

o ritual de acender a lareira é-me muito querido. durante anos foi um pouco da alegria dos meus dias. o autocarro entrava por curvas e contracurvas e da paragem até casa haviam poças de água no chão. o vento revolvia o guarda chuva e chegava a casa com chuva nos cabelos e na roupa, nos pés e na alma. quando não estava ninguém era eu quem acendia, aos poucos, a lareira, ponto quase central da cozinha. primeiro as pinhas, que apanhávamos durante o tempo quente, empilhadas duas a duas, sem pinhões. depois os ramos mais finos, secos e por fim lenha mais grossa, madeira de oliveira, castanho, eucalipto e pinheiro. no primeiro crepitar do fogo olhava com ansiedade a chama a pegar nos ramos, devagar, quase a medo, até se expandir, com força, lambendo a madeira, comendo o frio, doando calor. numa dadiva. a chuva batia com força nas janelas e havia pão fresco num saco de pano, que barrava com geleia, feita das cascas dos marmelos, todos transformados em marmelada. 

quando tentei acender ontem, aqui, a lareira, o fumo não saiu em direcção à rua, como saía em casa dos papás, bem ensinado. a sala tornou-se um torvelinho de ar preto e intoxicante, fazendo com que os olhos ardessem e o peito se inflamasse. corremos a abrir as janelas, numa dissipação do fumo. aos poucos acalmou. jantamos em silêncio, ambos perdidos no luxo que é, afinal, ter uma lareira que não na serra. 

hoje toda a casa cheira a fumo. 

e descobri que dois dos kiwis, colhidos verdes, estão agora podres de maduros. 

 

101_0887.JPG

 

imagem daqui 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:53


9 comentários

Imagem de perfil

De Psicogata a 29.10.2015 às 11:46

Estou ansiosa por acender a minha mas estou à espera que venham fazer uma pequena reparação para não me acontecer o mesmo, fumo espalhado por toda a casa.
Porque é que quando somos crianças tudo é perfeito e depois até as coisas mais simples correm mal?
Imagem de perfil

De M.J. a 29.10.2015 às 12:16

porque temos alguém a ajudar-nos a fazer tudo.
Sem imagem de perfil

De Paula a 29.10.2015 às 14:45

A geleia ainda sabe melhor que a marmelada!
Mas a paciência de a deixar chegar ao ponto certo já poucos a têm!
Sabores de Outono!
Imagem de perfil

De M.J. a 30.10.2015 às 14:02

bons sabores, na verdade.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 29.10.2015 às 17:53

Sãos as modernices mal feitas.
Nada como uma lareira da aldeia.
E a tua marmelada está ótima (de aspecto), claro!
Sabes? Eu também faço marmelada de marmelo e as cascas são para geleia.
E depois, dou a maior parte da marmelada aos sobrinhos e a geleia fico com ela.
Este ano já fiz duas vezes e parece-me que ainda vou fazer uma 3ª vez. A minha mãe costumava juntar maçãs, em menor quantidade, ao marmelo e este ano também fiz isso, logo tenho dois tipos de marmelada. Fiou boa!
Imagem de perfil

De M.J. a 30.10.2015 às 14:03

esta não é a minha marmelada. eu não faço, não só não sei fazer como atualmente não posso comer tanto açúcar. esta é de alguém que está referido por baixo da imagem. :)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 31.10.2015 às 15:24

Disse no outro comentário que ando com a cabeça no ar, não reparei no link.
Sem imagem de perfil

De me a 29.10.2015 às 23:10

Tb tinhamos esse problema cá por casa. Acabou há coisa de um mês. Metemos um recuperador de calor. :)
Imagem de perfil

De M.J. a 30.10.2015 às 14:03

não há problema que não tenha solução.

Comentar post