Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




comente se faz favor.

por M.J., em 02.08.17

uma vez dormi em casa da mãe de uma amiga.

precisava de ficar uma noite em lisboa por motivos profissionais e, entre a opção de um hotel completamente pago e à escolha ou a casa desabitada da mãe de uma amiga, optei pela segunda.

não me julguem. sou uma pessoa com alguns distúrbios - evidentes - e, naquela época, eram mais acentuados.

 

quando chegámos, eu ligeiramente em pânico porque tinha a ideia que me ia perder irremediavelmente (e não no sentido figurado) no metro, acabando mais cedo ou mais tarde por ser encontrada morta num dos carris, percebi que a casa:

a) estava cheia de pó até às orelhas, o que me provocou uma valente alergia;

b) tinha cotão nos cantos, o que aumentou a minha alergia;

c) tinha papelinhos espalhados pelas paredes e em todo o lado com coisas básicas escritas:

"por favor limpe os pés quando entrar";

"se usar a sanita não se esqueça de puxar o autoclismo";

"feche o saco do lixo quando o caixote estiver cheio e leve-o imediatamente para a rua";

"não deixe ficar louça suja na pia",

e por aí adiante.

 

no primeiro impacto julguei que aquilo fora ali colocado por minha causa o que, vistas bem as coisas, me pareceu contraditório.

era um tanto obtuso que uma casa pejada de pó e com cotão acumulado nos cantos, me recebesse com avisos para sacudir os pés à entrada.

mesmo assim encabulei, meti o rabo entre as pernas e fiquei a olhar, sem saber o que dizer.

 

a minha amiga havia-me avisado que a mãe era um nadinha estranha. 

quase doente, enfatizara, tentando que eu ficasse esclarecida, mas aquele nível era incompreensível até para mim.

sabes, disse ela depois de me ver ao canto , a minha mãe costumava receber visitas de uns amigos cá em casa.

e eu, já mais descansada, se calhar aquilo não era para mim mas uma leve tentativa de educar:

com crianças, presumo?

e ela, encabulada:

não. brasileiros. achava que lá ainda não haviam chegado alguns hábitos de civilização.

 

ñão soube o que dizer na altura.

agora já sei. 

 

oh gente do catano!

 

o que diriam vocemecês?

Autoria e outros dados (tags, etc)

oh vai ver ali:

publicado às 11:02


6 comentários

Imagem de perfil

De VeraPinto a 02.08.2017 às 11:14

Percebi agora que já te conheço há tanto tempo, porque lembro-me perfeitamente de já teres contado esta história algures..
Raio como o tempo passa!
Imagem de perfil

De Maribel Maia a 02.08.2017 às 11:46

Só faltava um papel a pedir para limpar a casa toda...
Imagem de perfil

De Olívia a 02.08.2017 às 11:51

:) é verdade, também já li aqui alguma coisa parecida.
Mas, bem vistas as coisas, ninguém te obrigou a ficar lá... estavas mesmo a pedi-las!!!! Estou a brincar, claro.
Eu diria que afinal tinha de ir embora, se conseguisse falar enquanto dava uns espirros valentes e limpava os olhos!
Imagem de perfil

De Mula a 02.08.2017 às 14:00

Tenho cá para mim que os papelinhos eram para a filha, que demonstrou não fazer ideia de como cuidar de uma casa....
Imagem de perfil

De David Marinho a 02.08.2017 às 17:06

De ler fiquei com alergia também hehe
Realmente a decisão do hotel é que foi incompreensível porque entre uma coisa e outra...
Imagem de perfil

De Corvo a 03.08.2017 às 20:02

Eh eh.
De uma certa maneira lembra-me aquela do gajo que tinha assuntos a tratar com outro, que morava numa quinta afastada.
Chegou e deparou-se com este aviso, em letras garrafais, logo à entrada. "CUIDADO COM O CÃO"
Amedrontado, foi andando com todo o cuidado, pé ante pé a olhar para todos os lados e só deu conta quando o esborrachou. Era um cão daqueles pequeninos que se metem no bolso.

Comentar post