Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




dos ódios de estimação

por M.J., em 04.05.15

a revista "pais e filhos" brasileira enunciou quarenta razões para seres mãe! sim, tu oh solteirona, viúva, divorciada, casada, unida que não tens filhos! apresento-te agora as quarenta razões para parires e que te vão fazer mudar de opinião mal ponhas os olhos nesta trampa.

pronta? hoje deixo ficar as dez primeiras, está bem? nem eu aguento enunciar as quarenta.

 

1. porque tu queres. e muito.

não fui eu que disse, não olhes para mim assim. o quê, não queres? a primeira razão que a revista diz é o contrário: pelos vistos mesmo que não queiras, queres muito!

 

2. porque deixas de ser só filha.

segundo a revista (podes ir ler, caso não acredites) se não fores mãe nunca te tornas numa verdadeira adulta. ficas sempre a ser somente filha e como não és mãe não és verdadeiramente adulta. já se tiveres um filho e o cortares aos pedaços, pondo o desgraçado na arca frigorifica, ou sei lá, se fores conivente com o teu marido a engravidar a tua filha, és uma verdadeira adulta.

antes disso não.

 

3. para entenderes melhor os teus pais.

ou seja, só depois de parires entendes os teus pais. não interessa se já tens quarenta anos, se és uma pessoa sensata, se tens uma vida saudável, se adoras os teus pais e passas tempo com eles. se não tens filhos isso significa que nunca vais entender aquele conceito do "veste o casaco que está frio" porque nunca sentiste frio; ou "não chegues depois da meia noite" porque nunca sais até à uma. é assim mesmo, a revista não se engana.

 

4. para descobrir uma imensa e surpreendente capacidade de amar.

diz a revista que depois de seres mãe ganhas um novo reportório emocional que torna a tua vida emocional muito interessante. entendes? não interessa se és freira e amas o resto do mundo; se tens vinte sobrinhos que adoras; se tens mil amigos que amas; se és bem resolvida com o mundo e com a vida. se te emocionas e sentes amor ao próximo. não filha. se não és mãe não tens essa imensa e surpreendente capacidade de amar. acredita em mim. eu li na revista expert em pais e filhos e relacionamentos desses.

 

5. para incluir mais gente numa história de amor que dá certo.

eu explico o raciocínio da revista: se tu e a tua cara metade se amam tanto devem incluir mais gente. e não, não é um ménage. é mesmo acrescentar um filho à história de amor feliz. é certo que neste momento já estou um pouco confusa porque segundo o artigo só descobres a incrível capacidade de amar depois de teres o filho... ou seja, antes não amas tanto e logo, enfim, parece ser contraditório com acrescentares amor ao amor que não... esquece, é confuso. fixa só que vale a pena teres filhos se amares (ou gostares, ou sentires tesão, como queiras) a tua cara metade porque é bom.

 

6. para deixar de ser adolescente.

é isso minha querida. tens mais de trinta? uma posição relevante profissionalmente? pagas casa, carro sem nunca falhar em nada? tens uma vida social activa e não sentes hormonas aos saltos? és muito bem resolvida contigo própria? achas-te adulta? pois, mas só o és efectivamente se tiveres filhos. lamento, mas é a verdade. sem parires vais ser sempre uma adolescente com espinhas na testa a pedir aos pais para ir à sessão de cinema de domingo à tarde ficando na última fila aos amassos com o capitão da equipa de futebol. (ainda que, aconselho-te, assegura-te que ele tem mais de 18 anos porque podes incorrer em crime).

 

7. para sentires o poder de gerar outra pessoa.

diz que é bom. aquela merda dos enjoos e da baleia e dos tornozelos inchados e das mamas a estalar e das estrias e de ficares toda rasgada e de te transformares numa vaca com mamites e de teres as hormonas a controlar-te e enfim, diz que é bom. é como tudo. também há quem diga ser bom comer cão. ou apanhar porrada no lombo...

 

8. para aprenderes a respeitar as diferenças.

aquelas, do filho que vais parir. ficas mais tolerante porque aprendes a respeitá-lo enquanto ser individual. logo no primeiro dia. aprendes a respeitar o ranho dele, a merda dele, o vómito dele, os gritos dele. aprendes que ele é único e individual e tens de respeitar todas as escolhas dele como roubar-te uns trocados para comprar droga, dar-te nas trombas para lhe passares a reforma, pinar na tua cama com a namorada nova. enfim, é um ser único e individual e aprendes a respeitar todas as diferenças (até aqueles pais que impõem a sua vontade numa educação rígida).

 

9. para se emocionar com as conquistas dele.

nesta fase já me apetece mandar isto tudo para o caralho. é evidente que se gostares de alguém te vais emocionar com as conquistas do alguém. mas é razão quereres ter alguém para te emocionares com ele? há aqui uma falácia qualquer.

 

10. para aprender que as coisas são como são, nem tudo é perfeito.

de outra forma vais achar sempre que a tua vida é um romance onde és rica, magra, viajas para todo o lado, fazes sexo estrondoso todas as noites e toda a gente te venera. és o cristiano ronaldo em versão feminina. só quando abrires as pernas e te rachares toda é que percebes que não, que afinal a vida não é perfeita.

 

oh foda-se, agora chega, enjoei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:27


26 comentários

Sem imagem de perfil

De marta a 04.05.2015 às 10:22

o pior é que no nosso dia a dia, há gente que se acha no direito de nos dizer muitas destas coisas. No meu caso não costumam ficar sem resposta, de preferência uma bem mal educadinha, ou não fosse eu uma "adolescente" de quase 40 anos!
Imagem de perfil

De M.J. a 04.05.2015 às 12:52

sim, isso é sempre muito agradável. um monte de mamãs fofinhas e lindas que te apregoam as maravilhas da maternidade e quando abres a boca para dizer "mas" mandam-te calar, que não és mãe e logo não podes saber.
Imagem de perfil

De Neurótika Webb a 04.05.2015 às 10:38

Eu que sou mãe, dou-te a minha perspectiva:
1. Eu nem queria ser mãe, mas como sou filha única, espetaram-me com a conversa de perpetuar os genes....
2. Nem que te pintes de amarelo!, vais sempre ser filha, e a tua mãe vai-te sempre mandar à cara os teus erros! Fica é com um reportório novo: os teus erros enquanto mãe!
3. Pois...mesmo assim não entendo...
4. Sim...anulas-te enquanto pessoa...passas a ser mãe! Ou melhor, a sociedade anula-te e reduz-te a um rótulo!
5. Ahahaha....esta é para rir! Mesmo! Qual história de amor? Em que os pais se divorciam?...
6. Que grande lata! Passas é a ser uma adolescente com um bebé, que telefonou para a mãe aos gritos quando o cordão umbilical da criança caíu e desatou a deitar sangue...e eu já tinha 26!
7. Sete dos nove meses de cama, 4 a vomitar e o resto com azia! Foi tãooooo bommm...que nunca mais quis ter filhos!
8. Esta em teoria é linda...mas continuamos a querer moldá-los ao nosso gosto, como os nossos pais nos fizeram a nós! É uma das maiores mentiras do mundo!
9. Esta é porque as gajas já não tinham nada que escrever...se tiveres um cão ou um gato, acontece o mesmo!
10. E esta também! Não é preciso ter um filho para se perceber isso...aliás, esta é para justificar o facto de que quando és mãe percebes que, nos próximos 20 anos, a tua vida vai ficar em Stand-by e percebes pela primeira vez o peso da responsabilidade que é ter um filho!

Adoro o meu filho e é a pessoa mais importante da minha vida.
Mas...não sou mais que outras mulheres que não têm filhos ou que optam por não ter!

Há mulheres que nascem para ser mães, outras que não...
Imagem de perfil

De M.J. a 04.05.2015 às 12:51

ah porra que devias ter sido tu a analisar o texto.
muito bom!
Obrigado :)
Imagem de perfil

De Neurótika Webb a 04.05.2015 às 13:34

De nada! O que me irrita são estes textos da tanga que parece que nascemos todas pré formatadas para ser mães! Até parece que se uma mulher não for mãe é um crime...
Uma boa semana para ti!
Imagem de perfil

De M.J. a 04.05.2015 às 16:00

lembrei-me agora de te dizer que também sou filha única.
seria uma iniciativa de louvar ver quantos filhos únicos têm blogs parvos. não que o teu seja, que fique bem ressalvado.
Imagem de perfil

De Neurótika Webb a 04.05.2015 às 16:02

Ó minha cara amiga...com um nome, "A Galinha da Vizinha é mais estúpida que a minha"....achas que é um blog normal?
E, sou filha de 2 filhos únicos...portanto, a coisa deve ser genética!
Imagem de perfil

De M.J. a 04.05.2015 às 17:08

está explicado então.
Sem imagem de perfil

De Patrícia a 04.05.2015 às 11:52

Já chorei a rir com este post!
Realmente, que estupidez! Meu Deus!
Imagem de perfil

De M.J. a 04.05.2015 às 12:50

chorar a rir num dia tão cinzento como este é muito bom.
parabéns à revista!
Sem imagem de perfil

De Patrícia a 04.05.2015 às 13:46

Pois, só mesmo um post como o teu para me tirar este humor de ratazana com que estou hoje!
Imagem de perfil

De M.J. a 04.05.2015 às 16:00

obrigada. que sirva para alguma coisa as palavras que insisto em juntar.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 04.05.2015 às 17:35

Ahahahahaha!
Excelente!
Não tenho filhos, nem os terei jamais porque já nem sequer tenho idade para os ter, mas o que aqui registou é o que me diz especial atenção:

" (...) se tens vinte sobrinhos que adoras; se tens mil amigos que amas; se és bem resolvida com o mundo e com a vida. se te emocionas e sentes amor ao próximo. não filha. se não és mãe não tens essa imensa e surpreendente capacidade de amar."

Muito bom!
Imagem de perfil

De M.J. a 04.05.2015 às 18:20

obrigado.
(amanhã há mais mas creio ter exagerado na linguagem.)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 04.05.2015 às 22:40


Não exagerou nada na linguagem.
Disse muitas verdades e eu adorei.
Imagem de perfil

De M.J. a 05.05.2015 às 01:18

exageraste. te. tu.

ai, que me vou chatear. :P
Imagem de perfil

De Isa a 04.05.2015 às 19:43

Gabo-te a paciência, não há uma única razão nessas 40 que me faça sequer re-pensar o assunto.. Aliás, são quase todas facilmente o motivo pelo qual mantenho "adolescente". As restantes são só estúpidas, a começar pela primeira.

A incapacidade da sociedade em aceitar a ideia que uma mulher pode existir sem a maternidade é algo que nunca deixa de me surpreender..
Imagem de perfil

De M.J. a 05.05.2015 às 01:19

talvez um pensamento ainda muito retrograda cultivado pela igreja e aceite pelas "mães" na tentativa de validar as suas opções?

não sei.
Imagem de perfil

De Mia a 05.05.2015 às 12:34

Ainda gostava de saber, juro que sim, quais foram os critérios para aprovação deste monte de lixo...
Imagem de perfil

De M.J. a 05.05.2015 às 13:31

saber escrever umas quantas palavras seguidas?
se ainda apresentassem qualquer coisa como "porque caso contrário a espécie termina" até aceitava.
isto é só obtuso.
Imagem de perfil

De Mia a 05.05.2015 às 13:41

olha, esse era um bom argumento. Ou: porque alguém tem que pagar a tua reforma; porque alguém vai ter que te mudar as fraldas quando fores velho; porque quando estiveres com uma crise de meia idade vais querer "carne fresca". Sei lá, coisas com sentido.
Imagem de perfil

De M.J. a 05.05.2015 às 13:47

aquelas que as tuas avós te esfregavam na cara ainda mal caminhavas.
isto é só tão parvo que dói.
(mas também, sem qualquer tipo de preconceito, é brasileiro...)
Imagem de perfil

De Mia a 05.05.2015 às 13:49

(eu pensei o mesmo. sem preconceito, claro.)
Imagem de perfil

De M.J. a 05.05.2015 às 13:51

sempre sem preconceito. só constatando coisas.
Sem imagem de perfil

De Cris a 10.05.2015 às 21:51

Adorei a tua desconstrução!
Imagem de perfil

De M.J. a 11.05.2015 às 00:26

não foi muito difícil, na verdade :)

Comentar post



foto do autor