Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




cães a ladrar toda a noite.

vizinhos devem chamar a polícia?

sim.

não.

 

16387429_1731186550240963_6076154696016868457_n.jp

(eu sou a favor do sim.

incluindo durante o dia por ladrares constantes por mais de vinte minutos.

por mais que goste de animais, no dia em que o interesse deles estiver acima do interesse dos humanos muito mal vai o mundo. um cão não pode ter mais direito a ladrar do que um humano cansado a descansar. desculpai lá qualquer coisinha.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26


44 comentários

Imagem de perfil

De F. a 31.01.2017 às 14:43

Não.

Deverá falar com o dono do cão. Esse sim, um ser supostamente racional, é que deverá tomar contar da ocorrência e tomar as devidas providências.

Tenho uma cadela, que adoro tanto que um dia que ela morra vou chorar mais do que já chorei por alguns familiares que já me morreram. Mas não gosto que ela incomode. E incomoda-me se ela incomodar.

Felizmente ela só ladra durante a noite se alguém estranho parar junto da nossa porta, por exemplo.

Durante o dia sempre que acompanhada:
- não ladra ou cala-se à nossa ordem, quando não estamos a história é outra... e aí ladra até aos pássaros que sobrevoam.
Dou graças a Deus do único vizinho que ela poderia incomodar raramente estar em casa, porque senão teria de optar por tomar outras providências que passariam por, na nossa ausência, ir para a casa dos meus pais, ou até, à falta de melhor mudar-me para um local que não incomoda-se o seu ladrar.

Eu tenho direito a ter um cão. Os vizinhos tem direito a viver em paz. Ambos tem de ter bom senso e perceber o que é uma situação pontual de um esganiçar continuo. E proceder conforme.

Imagem de perfil

De M.J. a 31.01.2017 às 14:49

mas repara: se o animal ladra durante mais de vinte minutos durante a noite com o dono em casa, o respetivo dono ouve o animal ladrar.
se não o cala, o respetivo dono não está a ter consideração pela vizinhança.

por que há-de ter a vizinhança consideração pelo respetivo dono?
(sim, olho por olho acabamos cegos... mas há situações e situações).
Imagem de perfil

De F. a 31.01.2017 às 14:56

Eu, mas isto sou eu, ia tolerando. Se verificasse que sim, com a absoluta certeza era uma constante e não situações excepcionais falava com o dono. É mal educado? Não compreende? Não aceita? Já passou um mês e mesmo assim não resolve? Aí ficava mesmo chateada... masa mesmo assim não chamaria a policia. Porque é a minha forma de ser.
Já o meu marido não aguentaria uma semana, talvez ele chamasse a policia sim.

O que eu acho, dos cães que ladram à noite com os donos em casa, é pura e simplesmente por uma razão: estão fechados numa divisão. Em as portas estando abertas é o sossego para todos. Talvez isto signifique que o sofá passe a ser a cama do cão e o dono não queira isso...
Imagem de perfil

De M.J. a 01.02.2017 às 10:20

pode não ser só por isso. há cães que estão - simplesmente - não educados. e que ladram por qualquer barulho, mesmo com os donos em casa. seja porque houvem passos, um carro na rua, uma melga na parede. e há donos tão permissivos que nada fazem.
isso ou têm o sono pesado.

Sem imagem de perfil

De Teresa Almeida a 31.01.2017 às 14:48

Sou absolutamente contra os confrontos e queixinhas.Mas curiosamente, as vizinhas do lado do meu herdeiro, têm duas cadelas que se esganiçam todo o dia a ladrar e, quando ele se queixa do barulho, são elas quem chamam a polícia!! Além de insultarem todos os outros vizinhos...
Felizmente, a minha quatro patas, que viveu os primeiros anos absolutamente à solta, ao ser «enclausurada» num apartamento portou-se tão bem, que nem parece haver um animal cá em casa (só choraminga quando pressente o dono a chegar, mesmo que o afastamento seja de dez minutos). Mas também temos no prédio 'ladrões' de voz grossa, só que de noite são sossegados...

Resumindo: dificilmente eu chamaria a polícia.
Imagem de perfil

De M.J. a 31.01.2017 às 15:32

eu facilmente chamaria a polícia. não se trata de queixinhas. trata-se do direito ao descanso, constitucionalmente protegido.
evidentemente que se analisará caso a caso, mas ter um cão a ladrar insistentemente às seis da manhã não me parece razoável.
Imagem de perfil

De Cecília a 31.01.2017 às 14:58

sem gozo, a cadela pode estar depressiva ou com o cio. essas questões tratam-se.

exemplos (corretivos em relação aos donos):
CMP:
A quem devo queixar-me se os cães do meu vizinho ladrarem à noite?
Nos termos do Regulamento Geral do Ruído compete às autoridades policiais ordenar ao dono dos animais a adoção das medidas adequadas para fazer cessar imediatamente a incomodidade. Deverá comunicar os factos à autoridade policial da zona da sua residência.
http://www.cm-porto.pt/saude-publica-veterinaria/questoes-frequentes

CML:A quem devo queixar-me se os cães do meu vizinho ladrarem à noite?
Nos termos do Regulamento Geral do Ruído compete às autoridades policiais ordenar ao dono dos animais a adoção das medidas adequadas para fazer cessar imediatamente a incomodidade. Deverá comunicar os factos à autoridade policial da zona da sua residência ou, em alternativa, à CML através de e-mail ou pelo tel.: 808 20 32 32, (Art.º 24.º do Regulamento Geral do Ruído).
http://www.cm-lisboa.pt/perguntas-frequentes/animais

em coimbra parece que não é questão frequente
http://www.cm-coimbra.pt/index.php/servicos/servicos-gerais/servicos-municipais/item/2200-animais-de-companhia


Imagem de perfil

De M.J. a 31.01.2017 às 15:17

(eu sei a quem nos podemos queixar. e os cães dos meus vizinhos, tirando um dia ou outro mais chato, até são calminhos. é apenas para tentar perceber a opinião do pessoal :)
qual é a tua).
Imagem de perfil

De Cecília a 31.01.2017 às 15:23

eu não disse que não sabias. achei graça que no site da cmc houvesse tanta insistência nos acorrentamentos e nada sobre os ruídos.

eu sou de dar a cara. batia à porta e tentava perceber se o animal em questão estaria com algum problema e tentava expor a minha situação.
mas como me levanto muitas vezes às 6h da manhã...

resumo:
primeiro, tentava conciliar.
se não, forças policiais. mas isto muito na última.

só chamei a polícia à primeirissima num caso de violência doméstica. infelizmente fui a única - mas foi o que bastou.
Imagem de perfil

De M.J. a 31.01.2017 às 15:31

ahhhhhhhhhhh.

se clahar existe tanta informação nos sites porque há imensos pedidos de ajuda por parte de vizinhos desesperados. :)
Imagem de perfil

De Dona Pavlova a 31.01.2017 às 15:08

Sim, mas não para calar os cães... chamem a polícia é para meterem os donos dentro de 4 paredes (muitas vezes até nas varandas) o dia todo, sozinhos e abandonados. Desculpem lá, mas cães em apartamentos sem condições, fechados 24h, sozinhos, dão-me a volta ao estômago...
E já agora (e lá vou levantar a poeira) crianças a chorar a noite toda a incomodar o humano (vizinho de baixo) cansado a descansar também não é bonito.
Imagem de perfil

De M.J. a 31.01.2017 às 15:16

ah, mas eu concordo com o que dizes das crianças. não o escrevi porque o tema não era esse. mas por mais bonito que seja o choro de um bebé, os vizinhos não têm culpa nenhuma e aquela coisa de uma aldeia inteira para educar um bebé é muito bonita mas a aldeia inteira não tem licença de maternidade como têm as mães dos bebés.
Imagem de perfil

De Dona Pavlova a 31.01.2017 às 17:01

Pois, o tema não é o barulho das crianças. (Tens que fazer um post sobre isso porque a maior parte das pessoas, e já mo disseram na cara várias vezes, acha que o único barulho que durante a noite é tolerado e tolerável é o de uma criança a chorar... Esquecem-se é que as pessoas também têm direito ao seu descanso.
Imagem de perfil

De Margarida a 31.01.2017 às 15:38

Cá vou eu de escudo na mão pronta para ser atacada: mas as pessoas que se incomodam tanto com o ladrar de um cão ou o miar de um gato, também se incomodam com o choro de uma crianca? É que a coisa é mais ou menos a mesma, digo eu.
Os pais/donos não querem que ele chore/ladre/mie, e com certeza fazem o que está ao seu alcance para o travar. Se o barulho continuar, será a única solucão despachar a crianca/cão/gato para outra morada?

1. Eu caso de barulhos persistentes e contínuos, eu iria falar com o vizinho em questão. Uma crianca que chora sempre não é normal, bem como um cão que ladre sempre. A primeira coisa que me vem à cabeca numa situacão destas é que algo não está bem, e talvez eu possa ajudar de alguma forma.
2. Acho que de forma geral falta tolerância nesta sociedade, e não só pelos barulhos alheios. Eu também gosto muito de dormir descansada, mas há vida fora do meu apartamento. Caso isso me incomode, talvez seja eu o problema e talvez seja eu que me deva mudar para uma zona mais isolada.
3.Vivo num apartamento com uma cadela que não ladra e que mesmo assim vai para a creche todos os dias de modo a que ela não fique 10h diárias sozinha e atrofie dos neurónios.
Imagem de perfil

De M.J. a 31.01.2017 às 15:45

falando por mim:

1. quanto ao choro de uma criança: incomoda. mas uma criança não pode ser - JAMAIS - comparada a um animal. isso significa que se poderia matar crianças para fazer hamburguers, o que não me parece o caso. recuso-me a discutir quem ache que um cão e uma criança tenha os mesmo direitos. será mais ou menos como jogar xadrez com pombos e eu não tenho tempo nem vontade para isso.

2. um cão que ladre sempre não é normal mas acontece. não no meu prédio, mas em prédios de amigos. se o cão não tem culpa, os vizinhos também não. quanto aos donos é relativo: se o cão ladra porque os mesmo o deixam sozinho em casa devem ponderar se querem ter um cão para o desgraçado estar sozinho todos os dias. se o cão ladra mesmo eles estando em casa devem ponderar em educar o cão para que o não faça, sobretudo se for uma situação constante.

3. a ideia de quem está mal muda-se não colhe, sobretudo legalmente. quem está mal tem - constitucionalmente - o direito ao descanso. quem está mal e comprou/paga a renda de um apartamento tem direito a ficar bem. a lei assim o diz.
Imagem de perfil

De Margarida a 31.01.2017 às 16:23

1.Uma crianca não pode nem nunca poderá ser comparada a um animal, 200% de acordo. Mas o barulho que incomoda é o mesmo. Eu pelo menos (e por muito que goste de animais) sinto-me tão incomodada com um ladrar como com um miúdo aos gritos. Daí ter falado em tolerância. Se toleramos o miúdo a chorar, não se consegue tolerar o cão a ladrar?
2. Mais uma vez, 200% de acordo. É responsabilidade do dono alimentar, cuidar e educar o animal. Caso tal não seja possível, não deveriam ter animal e digo-lhe que maior parte de pessoas que tem animais não tem condicões/tempo para os ter.
3. Vivo num prédio com uns selvagens (que não me chegam a incomodar porque vivo a uns andares de distância) que gritam todos os dias, que insultam os filhos com nomes que não lembra ao Diabo, já foram vistos a tentar trancar os miudos na garagem como castigo. A polícia foi chamada imensas vezes e dizem sempre que não podem fazer nada, até lá temos de viver com eles. Constitucionalmente, tal não seria permitido.

Talvez não me tenha explicado bem, não quis dizer que quem está mal muda-se. Digo que antes de arrendar ou comprar, seria lógico as pessoas pensarem no seu limite de tolerância tendo em conta que na maior parte dos casos vão viver rodeadas de pessoas sem saber a sorte que lhes vai sair na rifa. Como também seria lógico pensar nas condicões que terão para ter um animal, porque porque muita vontade que tenham de o ter, isso não é suficiente.
Não falo por mim, que nunca ouvi nada que me incomoda-se e creio que até conseguiria dormir num concerto dos Rammstein, mas não deixo de ficar um bocado desiludida vendo que cada vez mais vivemos numa sociedade que olha apenas para o seu umbigo. (Nada pessoal, estou apenas a falar de um modo geral).
Imagem de perfil

De M.J. a 01.02.2017 às 10:32

1. "Se toleramos o miúdo a chorar, não se consegue tolerar o cão a ladrar?"
Pois, a questão é que um míudo é um ser humano e só isso já valida. não se pode pegar num puto de dois meses e educar como se educa um cão. não se pode dar um par de estalos a uma criança com dores mas na minha opinião é legitimo dar uma sapatada a um cão que está a ladrar porque ouve um carro na rua. suportar um choro de uma criança, ainda que incomode - e oh se incomoda a mim. se ler este blog vai ver as polémicas que já por aqui andaram à conta disso - tem, inevitavelmente de fazer parte da vivência em sociedade.

suportar o ladrar de um cão é, na minha opinião, a mesma coisa que suportar o barulho de música nas alturas, de uma festa descontrolada de vizinhos ou de um automobilista a apitar bebado na rua: é alternativo.
um cão não pode ter o mesmo direito de incomodar um prédio inteiro a ladrar que uma criança a chorar.
um ladra, o outro chora. só isso já diz tudo.

2. o meu bairro tem dezenas de cães espalhados em varandas. se muitos estão em moradias (é um bairro altamente residencia, com não muitos prédios), nos respetivos jardins, ha uma série deles em varandas, seja inverno ou verão. os donos deviam ser responsabilizados. na minha opinião, cães em apartamentos só nas raras excepções em que os donos têm a disponibilidade fisica e monetária para os levar à rua as vezes necessárias.

3. infelizmente conheço bem essa situação. mas o facto de uma coisa estar errada não se justifica que se tenha de tolerar todas as coisas erradas. o facto de não terem sido capaz - ainda - de resolver a situação com essas pessoas não significa que se tenha também de aturar mais coisas erradas.

4. uma vez adormeci num concerto de linda martini. estranhamente não consigo adormecer na cama se ouvir um barulhinho na rua. é tique, sei lá, e durmo sempre de tampões.
nem toda a gente tem possibilidade de viver em moradias. viver num apartamento não significa ter de tolerar todas as parvoeiras do resto dos habitantes do prédio. seria muito mais fácil se as pessoas assumissem não que quem vai para um prédio tem de ser tolerante mas, antes, que quem vai viver para um prédio tem de pensar que não está sozinho e, como tal, tem de ter cuidados acrescidos para não incomodar quem também lá vive.
o princípio é exatamente o oposto: não é ponderar se se tem tolerância para ir viver para um apartamento mas ponderar se se sabe viver em sociedade antes de decidir ir viver para um e dar cabo do juízo a toda a gente.

(eu sei que não é pessoal. isto somos nós a trocar ideias. só havendo diferentes opiniões se trocam ideias :) )
Imagem de perfil

De Dona Pavlova a 31.01.2017 às 17:09

Não acho que falte tolerância a esta sociedade, eu acho é que há falta de civismo (muito) e há seres muito mal educados nesta sociedade cada vez mais egocêntrica...
Imagem de perfil

De M.J. a 01.02.2017 às 10:32

é isso mesmo.
Imagem de perfil

De Margarida a 02.02.2017 às 14:19

Entre o equilíbrio do civismo e da tolerância, há-de estar a sociedade perfeita. Até lá tentamos fazer a nossa parte :)
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 31.01.2017 às 15:53

como sabes tenho duas patudas que, tirando uma única vez, não ladram a meio da noite (e ainda estou para perceber que raio deu à Bunny para começar a ladrar às 2h30 duma noite logo ao inicio de estar lá em casa e não se calar por nada do mundo. Foi meia hora que acordou toda a gente. Em casa e fora dela). Nem a meio da noite nem durante o dia. A menos que haja algum som fora do normal ou quando o cão da vizinha da frente ladra de forma mais esganiçada (esse sim ladra 24 horas por dia, está fechado num quarto com a janela aberta e passa o dia e a noite a ladrar a quem passa). Nunca ficam sozinhas em casa - tenho uma dogsitter que fica com elas quando precisamos de sair os 4. E mesmo assim... há quem chame a policia ao primeiro som que elas fazem... Não consigo, por isso, ser isenta nesta questão. Eu nunca chamaria a policia (como nunca chamei quando essa mesma pessoa discutia com o marido a altas horas da madrugada, com portas a bater e gritos/apitos). Tentaria perceber o porque e falaria com a pessoa em causa de modo a ajudar a encontrar uma solução.
Imagem de perfil

De M.J. a 31.01.2017 às 16:01

mas repara: se a pessoa chama a polícia por a cadela respirar a pessoa é parva. simplesmente a pessoa não merece crédito.
não falo desse caso. não falo de casos em que as pessoas são acéfalas. falo de gente normal (ainda que esse conceito seja discutivel), de gente que até prefere não se chatear, de gente que precisa de descansar e, todos os dias às cinco ou seis da manhã tem um cão de um vizinho a ladrar feito tolo durante horas.
o cão não pode ser responsável. o cão não tem personalidade jurídica. o cão é um cão. então tem de ser o dono. e das duas uma: ou o dono cala o cão; ou o dono fala com a vizinhança nas situações raras em que a coisa acontece; ou o dono tem um coima.
eu nunca chamei a polícia por causa de um assunto desses. os cães dos meus vizinhos, tirando raras excepções, são mais silenciosos do que eles. mas se todos os santos dias os cães ladrassem às meias horas seguidas de madrugada todos os santos dias eu chamaria a polícia.
é que todos os santos dias eu preciso de dormir: é uma falha minha esta necessidade biológica, mas pronto ;)

(tu, que trabalhas com condomínios, achas que um vizinho que deixa os seus cães ladrarem sem fazerem nada estão dispostos a mudar isso com conversinhas?)
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 31.01.2017 às 16:05

já encontrei de tudo, confesso. Uns queixam-se e dizem que matam e esfolam. Outros dizem que já falaram com os donos e que estão a tentar resolver a bem. E outros dizem que vão fazer queixa por o animal passar horas a fio sozinho (e, como tal, ladrar imenso). Não há um comportamento tipico nestes casos (digo eu que lido com quase 2.000 condóminos)
Sem imagem de perfil

De Sofia Marques a 31.01.2017 às 16:23

A meu ver chamar a polícia só em último recurso.
1- Se for um ladrar/miar que só aconteça de vez em quando tolero. Já tive uma gata e como sabem gatos miam à noite. Eu não gostava e de certo que os vizinhos também não e que remédio tinha eu se não levanta-me o ver o que ela queria.
2- Se for um miar/ladrar constante então é algo para incomodar. Tive uns vizinhos de cima que tinham um cão e não o levavam à rua, nem lhe abriam as portas das varandas, pois passavam muito tempo fora de casa. Conclusão: o cão esgravatava o chão de todas as divisões junto às portas (sala, cozinha, 2 quartos e porta da rua) para ver se conseguia sair. A partir das 5 - 5:30 da manhã ninguém dormia. Até que enfim... devia fazer algures na casa... Eu fui falar com o vizinho e outros fizeram o mesmo. Tudo correu bem e ainda se brincou com a situação porque quando nós (vizinhos) resolvemos queixar-nos eles iam sair do prédio. Tudo isto para dizer, se a pessoa não tem condições para criar/ter animais, não os tenha. Santa paciência. Os vizinhos não tem culpa e a pessoa em questão tem de ser responsável pelos animais que tem.
3- Se eu fosse falar com o tal vizinho e este fosse mal educado e coisa assim, ponderava seriamente em chamar a polícia pois o cão/gato não tem culpa de ter um dono assim.
4- Por mais defensora que eu seja dos animais não se compara animais com crianças. E como o assunto do post não é esse não me vou alongar mais.
Imagem de perfil

De M.J. a 01.02.2017 às 10:34

1. um ladrar/miar de vez em quando consigo tolerar. há um gato no meu bairro, siamês, gordo, sem dono, quase obeso que na altura do cio mia como se o estivessem a capar. confesso que lhe acho piada, mesmo quando é debaixo da minha varanda.

2. não consigo - ainda - ser tão civilizada. entendo que se os vizinhos sabem (porque também têm ouvidos) que os seus animais estão a incomodar e não fazem nada é porque não querem fazer. e se não querem a alternativa é que alguém imponha a que o façam. não consigo tratar com muita consideração quem não o faz por mim.
Sem imagem de perfil

De Sofia Marques a 01.02.2017 às 11:07

No ponto 2 concordo consigo. Quando se sabe quem é o dono do animal e sabemos que eles sabem que os seus bichinhos estão a incomodar e nada fazem é diferente.
Se não há consideração por nós, nós também não temos que ter.

Mas mesmo assim, não chamo a policia logo, aviso mas um aviso nada civilizado.

Assim do género:

Um vez o gato do vizinho do meu pai que gosta de fazer os seus cocós nos jardins alheios estragou o quintal todo aos meus pais e melhor, deitou-se em cima do tejadilho do carro deixando um rasto de riscos no carro. O vizinho foi avisado que havia veneno no quintal e se queria o seu gato com vida que o pusesse dentro de casa ou que lhe mete-se uma trela (atenção: não havia veneno em lado nenhum mas se a pessoa gosta do animal resulta - como resultou neste caso -, se tivesse continuado tudo igual, aí a polícia tinha de intervir).

Já em minha casa (e eu ainda não tinha a minha gata), que vivo num primeiro andar, mas que as varandas da cozinha estão ligadas por um muro. Ora a minha vizinha que tinha uma marquise achava fixe fechar a janela com o gato no dito muro, avisei cordialmente umas 2 vezes pois era nova prédio e tal mas um belo dia chego a casa e é um cheiro a xixi e cocó que não se pode pois tinha deixado a porta da cozinha aberta com os estores baixos. Tinha sido o gatinho, aliás ele ainda lá estava. Só lhe bati à porta e disse "Vou meter lixívia na minha varanda e é bom que abra a janela ao seu gato" Nunca mais o vi!

Em ambos os casos os donos estavam em casa. Em ambos os casos sabiam que os seus animalinhos iriam invadir propriedade alheia. Em ambos os casos não houve consideração pelos outros.
E se o aviso nada cordial não resulta-se, aí muito provavelmente chamaria a polícia.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 31.01.2017 às 16:51

Complicada a questão.
Eu ficaria doida, e acho que falaria com o dono.
Caso nada resolvesse, ter-se-ia de tomar uma posição, juntamente com todos os inquilinos e/ou vizinhos.
Imagem de perfil

De M.J. a 01.02.2017 às 10:35

é que é mesmo coisa para ficar doida. acredita.
Sem imagem de perfil

De Filipa a 31.01.2017 às 18:43

Eu evitaria chamar a policia mas a questão é, um dono responsável e com bom senso não precisa sequer que os vizinhos se queixem.
Imagem de perfil

De M.J. a 01.02.2017 às 10:36

pois. mas grande parte dos donos não são responsáveis. grande parte dos donos acham que os seus cães são seus filhos. e que os seus ladrares/miares são canções de ópera que não há por que não gostar.
grande parte dos donos são uns parvos de merda.
e com parvos de merda não se resolve através de falinhas mansas.
Imagem de perfil

De Quarentona a 31.01.2017 às 19:03

É por essas e por outras que eu tenho um gato, por acaso tive a sorte de ser daqueles que raramente miam :))))
Mas já tive cães, e um ladrava que se fartava, mas porque reclamava por qualquer coisa que conseguíamos sempre identificar, anular e assim parava o latido! Eu falava com o dono e caso o latido persistisse, indicava-lhe um treinador de cães. Isto de se ter animais em casa implica muita responsabilidade, não é só tê-los porque gostamos muito de animais e são muito fofinhos, quem não tiver condições para ter um cão e/ou não souber educá-lo, desculpem lá, mas não o deveria ter.
Imagem de perfil

De M.J. a 01.02.2017 às 10:36

um tratador de cães é caro. há pouca gente que queira fazer tal. há tanta gente que nem ao veterinário leva os animais...

Comentar post


Pág. 1/2



foto do autor