Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




às vezes recebo e-mails de pessoas que, lendo o blog, raramente comentam. ou mesmo nunca.

são agradáveis surpresas.

quase sempre palavras discretas, amáveis e com uma ou outra dica de gente que diz ler, seguir mas não comentar ou interagir. na maior parte das vezes pedem desculpa pelo atrevimento e que eu não leve a mal. 

nunca levo. como poderia levar? pedir desculpa pelo quê?

 

entendo que a personagem que aqui está e que reflecte quem sou - mesmo que não me descubra na imensidade das camadas que me constroem - pareça, grande parte das vezes, depressiva, antipática, com mau feitio e pelo na venta. é verdade. também tenho essas características. mais depressiva, antipática e metida comigo própria do que com pelo na venta. mas ainda assim, essa é apenas uma parte pequenita daquilo que sinto ser.

 

não levo - evidentemente - a mal e-mails que recebo com dicas, sugestões ou comentários.

ou apenas uma anotação de que "estou aqui, leio-te, gosto das tuas palavras mesmo que nem sempre concorde".

fico antes feliz.

de uma felicidade de criança que recebe um presente inesperado. 

 

por opção profissional passo a maior parte do dia sozinha.

falo muito ao telefone e uso a internet como parte da minha ferramenta de trabalho. interajo em grupos de facebook, do whatsapp e sigo canais de youtube. converso largas horas de telefone no ouvido. mas só. não convivo com este ou aquele. não troco meia dúzia de palavras com um colega de trabalho, não desabafo as coisitas do dia com um amigo de secretária nem rio a bandeiras despregadas com os colegas de sala. 

o blog serviu, numa primeira fase, para suprimir essa ausência de contacto (também, não só).

não sendo comparável deu-me a conhecer gente que não conheceria de outra forma sem ele.

pôs-em em contacto com pessoas que não trocaria duas palavras se as visse na vida.

fez-me ficar amiga - sim amiga, mesmo que essa palavra me seja tão cara - de gente que admiro profundamente e pela qual, à primeira vista, sentia o contrário.

o blog fez isso porque, sendo esta às vezes uma personagem, é uma personagem que me reflecte.

e quem fica depois, nos contactos diários, sabendo dessa personagem, sabe quem sou e de onde venho, o que sinto e o que espero. e concorda com isso. e gosta disso. não há já a barreira do desconhecido. não há já a máscara solene da simpatia, da extroversão ou da arrogância que sou obrigada a pespegar nas trombas com gente nova ou antiga, em certos contextos. 

 

não levo a mal nenhum e-mail que recebo.

agradeço.

lembra-me do porquê que escrevo online.

recorda-me que as minhas palavras chegam a gente que não conhecerei jamais. que provocam qualquer reacção - boa ou má - a pessoas que não convivem comigo, não me conhecem e, ainda assim, sentiram a vontade de me dizer "olá, estou aqui, gostava de te dizer isto".

pessoas que não o fariam se me vissem na rua, de ar fechado e soturno, perdida nos pensamentos que me consomem. 

 

não levo a mal.

sinto exactamente o contrário disso:

levo a bem. 

e espero por mais. 

 

obrigada. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:32


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Quarentona a 13.10.2017 às 12:40

Subscrevo cada palavra! :))))
Imagem de perfil

De Gorduchita a 13.10.2017 às 13:14

A "grandeza" dos blogs está mesmo nessa partilha, nessa possibilidade de se conhecer e contactar com pessoas que nunca cruzariam o nosso destino, doutra forma!
E receber assim e-mails dos leitores, sabe bem, certamente! :)
Imagem de perfil

De Outra a 13.10.2017 às 13:22

Sabes,
uma vez mandei um email assim desses a um blog que seguia e que não permitia comentários (e ainda sigo a página de facebook porque o blog deixou de ser alimentado).
Admirava as caraterísticas daquela pessoa que escrevia e por isso um dia decidi comentar a minha admiração pela força e forma de superar que ela demonstrava. Nunca me respondeu. Se calhar não tinha de o fazer. Mas...eu esperava que fizesse.
Mas também já me aconteceu o contrário, já encontrei pessoas com quem, contrariamente ao que pensava, pude conversar sobre tudo e ganhar outras perspetivas das coisas, sobretudo das coisas menos boas. E sei que estão(ás) à distância de um clique.



Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.10.2017 às 15:53

Olha... Afinal ela até é uma pessoa, não um robô
Imagem de perfil

De M.J. a 13.10.2017 às 15:54

tem dias. para os anónimos costumo ser um robot: spam.

costumo.
nem sempre.
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 13.10.2017 às 21:02

Cara MJ, fico muito mais tranquila... ;-)
Imagem de perfil

De lolita a 23.10.2017 às 17:45

também comecei o meu blog para "fingir" que falava com alguém durante o dia...

Comentar post



foto do autor