Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




durante anos escrevi num diário. um diário vermelho, de capa fofinha, grosso, oferecido no natal por uma tia ausente. tinha onze anos e escrevia nele a morte do gato, os primeiros arrufos com amigos, algumas trevas que já me perseguiam. escrevia da mudança do corpo, da adolescência e dos dramas de quem tinha quatro invés de cinco. dos óculos que surgiram aos catorze anos e da banha a mais.

o diário era a a minha vida.

na faculdade percebi que tudo o que sonhara para um tempo de estudo, lido em carlos da maia, com a ponte ao luar, os estudantes em gritos de estudo... era falso. os meus colegas não tinham nada de eça, as capas negras escondiam vomitados e droga e as meninas, que eu julgara pertencerem à elite, vestidas de saia e sapatos quadrados, que me obrigaram a chamá-las de doutoras, roubavam revistas cor de rosa na papelaria onde eu trabalhava.

não consigo descrever a desilusão de quem colocara coimbra no cimo das monumentais, como o esplendor dos sonhos, e se apercebe que os problemas vinham afinal da serra para à cidade, acoplados à vida que era vivida, e as pessoas não eram diferentes por viverem num sitio com comodidades ao invés de árvores, o sino da igreja ou o rio ao fundo.

foi nesse tempo que criei um blog com passagens de um diário em papel onde escrevia. depois nunca mais o deixei. fui mudando de sítios, de registo, de temas. comecei com dores depressivas, escrevi sobre televisão e mais tarde, já depois da faculdade terminar, embrenhei-me na construção de uma personagem que escarrapachava sem medos - na certeza que incógnita na internet ninguém lhe dedicaria um carapau de atenção - toda uma vida, toda uma insegurança.

nesses tempos escrevia com muitos recamboleques (ainda que as aventuras destrambelhadas já existissem) e não dizia palavrões. tinha ainda (deus, foi quê? à seis anos?) todo um provincianismo da serra a correr-me nas veias (se imaginassem o quanto uma pessoa pode crescer, construir, seguir em seis anos benziam-se) aliado a convicções políticas fechadas, vindas do tempo em que avó me dizia, olhando de soslaio por cima do ombro, que não se falava mal do governo pois que havia sempre alguém para ouvir e contar. tinha ainda ideias certas e teimosas do que seria a normalidade das coisas, do que devia ser a vida como um todo. eu era, sejamos francos, uma puta de uma seca provinciana no que diz respeito a aborto, homossexuais, adopções e tantos outros temas estruturantes.

as minhas opiniões, confesso sem qualquer pudor, eram uma merda.

um dia encontrei um blog pelo qual me apaixonei de um travo só. era escrito por um homem, extremamente inteligente, que dizia palavrões como quem escreve virgulas, que desnudava a minha alma em palavras, que colocava ali, sem eu perceber bem como, aquilo que eu sentia e que nunca conseguira transmitir numa linguagem formada por letras e frases. encontrei um blog de alguém que me fez conhecer músicas que me embalavam as dores e me faziam sentir para além de mim. encontrei um blog de alguém que eu percebia ser de uma extraordinariedade que não se vê em blogs. de uma inteligência incomum. de um saber acima do que me rodeava. um blog de alguém que é homossexual. e desejei ardentemente ser amiga do alguém desse blog. como que se a minha pequenez, a minha mente provinciana pudesse chegar perto desse alguém e tomarmos café, aí, os dois, sentados numa esplanada a trocar impressões.

deus! que impressões podia trocar eu? que era uma idiota serrana a achar os gays diferentes? a assumir que era uma opção? a pensar que uma criança precisava de pai e mãe? a vergonha, meus senhores, a vergonha que senti nesse dia, quando me imaginei a tomar café com alguém que nunca vira mas que admirava de uma forma extraordinária, fez-me corar. fez-me repensar tudo aquilo em que assentei a minha personalidade, as minhas crenças, a minha educação. e, acreditem, fez-me mudar, ser diferente, ser - acredito - melhor.

nunca tomei café com esse alguém. nunca o vi. perdi-lhe o rasto, voltei a encontrar noutro blog. descobri que era amigo de outra pessoa extraordinária que comecei a amar também, voltei a perder. parece algo impensável, pequeno, sem sentido, dramático e idiota. parece algo que escapa às pessoas normais. às outras. não quero saber. aconteceu comigo, fez-me mudar, ser diferente, ser melhor. e foi por um blog. ou por dois, vá. ou três, se contarmos com o meu, graças ao qual conheci outros. ou quatro ainda, se pensarmos que foi nesta plataforma que isso aconteceu.

foi por blogs. ou melhor, por pessoas que escrevem em blogs. 

o blog é uma parte importante da minha vida. tão importante como o que acabaram de ler.

e fez dois anos! está ou não de parabéns?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47


44 comentários

Imagem de perfil

De Maria Araújo a 23.11.2015 às 11:37


Parabéns, M.J. pelo blog, por ti, e por dares a conhecer como chegaste até nós.
Um abraço.
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 11:58

obrigado :)
Imagem de perfil

De Corvo a 23.11.2015 às 11:43

Está sim! Está de parabéns o blog, mas de nada serviria se não escrevesse nele uma adorável menina...ou mulher? As duas numa, vá: extremamente humana e de rara e belíssima sensibilidade.
Muitos parabéns!
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 11:58

sempre simpático. obrigado corvo. mesmo.
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.11.2015 às 12:04

E ainda bem que assim foi! Eu também gosto de olhar as pessoas que estão atrás dos ecrãs, encontra-se gente extraordinária, é um facto! Só lamento que não tenhas conhecido a Coimbra do Eça, tal como eu a conheço, vivi e vivo, mas um dia acompanho-te numa visita guiada pelas vielas das serenatas apaixonadas, se tu quiseres, é claro
Parabéns, gosto muito deste teu "cantinho"
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 12:25

quero. quero muito.

obrigada :)
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.11.2015 às 12:30

É quando quiseres! Basta apitares
Imagem de perfil

De Gaffe a 23.11.2015 às 12:20

Parabéns, minha querida.
Sabes como gosto de passear por aqui. Nestes dois anos tu alteraste tanta, mas tanta coisa!

O que me irrita, é saber que tudo o que dizes deste homem é verdadeiro e não chega. O que me dá cabo dos nervos é estar proibida de o "publicitar". Apetece tanto apontar o dedo e desatar aos gritos:
OLHEM! Valha-me Deus! OLHEM e PASMEM deslumbrados.
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 12:25

é o que me apetece a mim também. apontar muito alto. como quem dá a conhecer um tesouro. mas não posso. tenho muito medo que fuja, outra vez, e não o possa ler novamente.

gosto de ti.
Imagem de perfil

De Petrolina a 23.11.2015 às 12:33

Parabéns pelo blog :) é cativante. dos poucos que leio religiosamente.
gosto muito
um beijinho
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 14:37

tão querida...
obrigada :)
Sem imagem de perfil

De S.o.l. a 23.11.2015 às 13:21

Parabéns!

(porque dizer mais ia se tornar menos)
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 14:37

e chega. e eu agradeço muito.
Imagem de perfil

De Psicogata a 23.11.2015 às 14:13

Parabéns!
Que venham muitos anos de textos como este tão bons, tão sinceros, tão despretensiosos como só tu os sabes escrever.
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 14:37

oh... obrigado. mesmo.
Sem imagem de perfil

De Cristina a 23.11.2015 às 14:29

Muito bem! Tenho voltado, gosto daqui. E, claro, ia perguntar, mas já não. :-)
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 14:37

o que ias tu perguntar?
Sem imagem de perfil

De Cristina a 23.11.2015 às 17:57

Pois que ia perguntar quem é esse misterioso e, talvez também por isso, potencialmente interessante autor do dito blogue. Assim sendo ("assim" = já li que não é revelável), pergunto o que também me intriga: qual é o livro?...
Sem imagem de perfil

De Cristina a 27.11.2015 às 00:33

Merci! :-)
Sem imagem de perfil

De SP a 23.11.2015 às 15:43

Fdx, Parabéns mas parabéns mesmo....
Com toda a certeza já tens os teus fãs e seguidores e com toda a certeza também já tens quem te ache um exemplo a seguir
Imagem de perfil

De M.J. a 23.11.2015 às 17:50

não acredito em fãs nem seguidores :) este blog não é propicio a isso. tenho é pessoas de extremo bom gosto que gostam do que escrevo :D
Sem imagem de perfil

De SP a 23.11.2015 às 20:09

Também gosto muito
Mas chega de lamechices se não de aqui a bocado tou a chorar
Imagem de perfil

De M.J. a 26.11.2015 às 16:27

choramos os dois?
Sem imagem de perfil

De SP a 26.11.2015 às 18:44

butes!

Comentar post


Pág. 1/2



foto do autor