Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




não vale a pena virem bater-me já

por M.J., em 02.02.17

tentem antes, pelo menos, entender os dois lados.

 

e quais lados? perguntam vocês.

bem, refiro-me, no mínimo, aos primeiros cinco meses de vida de um bebé.

situação: choro permanente durante a noite.

consequência: cansaço dos pais e da vizinhança.

o que faz a vizinhança: pede aos pais que tenham em atenção ao puto.

o que fazem os pais: vêm para as redes sociais chamar os vizinhos de filhos da puta por não entenderem o seu caso.

 

vamos lá ver:

 

se um bebé incomoda os pais cansados, durante a noite, com uma choradeira infernal, nos casos em que o isolamento dos prédios é péssimo (talvez oitenta por cento dos do território nacional) incomoda também os vizinhos.

se os pais acordam, os vizinhos também.

e se a mãe está cansada porque passou o dia inteiro entre fraldas, mamadas e choro, possivelmente a maior parte da vizinhança está cansada passou o dia entre trabalho, stresse e trânsito.

se os pais estão a morrer de sono por acordar de duas em duas horas, os vizinhos também.

a diferença: os pais ao menos tiveram o proveito de fazer o puto.

 

é que aquela coisa de ser precisa uma aldeia inteira para educar uma criança é muito bonita mas a aldeia toda não tem licença de maternidade.

só os pais da criança.

 

e se chamar a polícia me parece uma grande estupidez (que vão fazer os agentes? levar o miúdo preso para a esquadra? detê-lo por ruído?), já os pais atacarem os vizinhos por estarem chateados é estupidez ao dobro.

na verdade, se a vizinhança é obrigada a levar com os gritos do puto, ficará de certeza muito mais sensibilizada se receber da parte dos papás-  pelo menos - um pedido de compreensão. ou se houver uma tentativa de perceber - entre todos - onde são os quartos do pessoal e tentar-se agilizar a coisa para, em casos de choro extremo, levar-se o puto para o lado oposto da casa.

 

reparo que, quando se trata de crianças, toda a gente fica muito sensibilizada e, ao mesmo tempo, escandalizada quando uma voz se (a)levanta queixando-se.

no entanto, alguém fica sensibilizado com aquilo que os adultos suportam, no dia a seguir, indo trabalhar com duas horas de sono por causa dos filhos dos outros?

 

F I.png

vem ter comigo ao facebook - aqui,  e instagram - aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30


29 comentários

Imagem de perfil

De Olívia a 02.02.2017 às 10:44

Graças a Deus que vivo numa moradia, caso contrário teria sido expulsa de casa durante os primeiros meses de vida da Maria. E não eram apenas cinco... mas dez ou onze.
Todas as noites, lá para as nove, depois do banho e comida aquela safada entrava num berreiro que se ouvia no continente americano. Ela gritava durante hora e meia porque não queria dormir e depois de um momento para o outro caía de cansada adormecendo imediatamente (durante umas duas horas, depois acordava para comer, mas não fazia barulho). Sempre. Todas as noites. Ao colo. Com cantigas. Na na nas. tudo e mais o resto. Não enlouqueci completamente, mas faltou pouco. Ela não gostava de dormir. Não se calava com nada.
Eu chorava antes, durante e depois.
Imagina que eu era tua vizinha.
Já me odeias, certo?
O que podia eu fazer? Só se lhe desse um calmante (cheguei a pensar nisso numa altura em que comecei a perder a lucidez)
Os miúdos são lixados. Nem todos. Que esta Lúcia é uma santa.
:)
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 12:07

odeio nada.
mas se eu fosse falar contigo sobre o assunto e fosses para as redes sociais chamar-me de rameira... aí se calhar, sim.
Imagem de perfil

De Olívia a 02.02.2017 às 12:20

Essa de lavar roupa suja nas redes sociais é tramada... coisa que eu jamais faria... e se viesses falar comigo largava-me a chorar, claro.
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 12:21

credo, não, ainda chorava contigo.
Imagem de perfil

De Ana Rita 🌼 a 02.02.2017 às 11:03

No meu caso (do meu descendente) não tive grandes problemas porque o puto nasceu com os relógios certinhos e é dado a sonecas longas - assim tipo 10 a 12h por noite desde que nasceu logo, os meus vizinhos não tem muitas queixas nocturnas.

Mas (ainda era uma moça sem filhos) tive uns vizinhos de baixo que o pequeno dormia por baixo do meu quarto e chorava incessantemente noite após noite todos os santos dias incluindo fins de semana. Eu e o esponjo desesperava-mos e quando nos cruzava-mos com os pais eles pediam-nos sempre imensas desculpas que o menino sofria de uma doença e que tinha dores e por isso chorava.

O que é que uma gaja pode fazer?? NADA!
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 12:08

mas nesse caso as pessoas criam empatia. é claro que o choro vai continuar a incomodar mas se há um pedido de compreensão por parte dos pais, uma pessoa entende, tenta moldar-se.
agora como entender se os pais vos dissessem: estão mal? mudem-se!
Imagem de perfil

De C.S. a 02.02.2017 às 11:30

É tramado, mas os pais devem ser os primeiros a querer que os filhos durmam uma noite inteirinha, ou pelo menos de seguida entre as 23h e as 6h. Os vizinhos a reclamar não ajudam nada, vão colocar os pais mais stressados e a pensar que estão a fazer algo errado porque não conseguem calar a criança.
Talvez todos devessem ser mais compreensivos e não contribuir para o mal-estar geral. Digo eu...que não tenho filhos.
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 12:08

entendo.
"se os pais estão a morrer de sono por acordar de duas em duas horas, os vizinhos também.
a diferença: os pais ao menos tiveram o proveito de fazer o puto.

é que aquela coisa de ser precisa uma aldeia inteira para educar uma criança é muito bonita mas a aldeia toda não tem licença de maternidade.
só os pais da criança."
Sem imagem de perfil

De Cristina a 02.02.2017 às 12:01

pá, MJ, tu tens é um grande mau feitio! 😆
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 12:09

diz-me algo que eu não saiba :D
Sem imagem de perfil

De Ricardo_A a 02.02.2017 às 12:05

Já tive uns vizinhos com um bebe que chorava imenso durante a noite. Na verdade até tinha pena dos pais porque quando me cruzava com eles viam-se bem as olheiras das noites mal dormidas.
Comprei tampões para os ouvidos e deixei de o ouvir. Nunca pensei que fosse tão eficaz. E agora continuo a usar. Parece que durmo todos os dias no deserto.
Deixo aqui as marcas/modelos que conheço e com as quais me dou bem:
http://www.macksearplugs.com/details/sleeping-earplugs/safe-sound-ultra-soft-foam-earplugs
http://www.moldex-europe.com/en/products/earplugs-disposable/pura-fit/

Confesso que a minha tolerância para com o choro de bebés é inversamente proporcional à que não tenho para o ladrar dos cães.
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 12:11

uso tampões desde o tempo de faculdade. mesmo que o meu prédio atual não tenha, salvo raras excepções, barulho absolutamente nenhum. foi um hábito que adquiri.
acontece que no último mês desenvolvi alergia a uns novos que comprei. vou ter de esperar que passe e comprar outros.
compras estes online?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.02.2017 às 12:47

Sim, costumo procurar no Ebay e compro em quantidade (geralmente 50) porque sai mais barato por unidade.
Tenho sempre tampões destes dois modelos precisamente para evitar alergias (quando começo a sentir um pontinha de comichão mudo).

Eu quando começei a usar experimentei quatro modelos diferentes. Deixo também aqui dois com os quais não me dei mas que podem ser úteis se quiseres experimentar:
http://www.howardleight.com/earplugs/max-lite
(são bastante macios, mas demasiado compridos para o meu ouvido, o que é pena porque eram confortáveis)

http://solutions.3m.com/wps/portal/3M/en_US/EMDCI/Home/Products/ProductCatalog/~/3M-E-A-Rsoft-FX-Uncorded-Earplugs-312-1261-in-Poly-Bag-2000-EA-Case?N=5477473+3294780194&rt=rud
(dizem que são os Ferraris dos tampões mas são demasiado grossos para o meu canal auditivo)
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 14:14

vou mandar vir para mim... obrigada pela dica ;)
Imagem de perfil

De Just_Smile a 02.02.2017 às 12:25

Sabes? Um dos meus receios de apartamentos é isso mesmo... crianças, berros e choros... Não só os meus futuros filhos, mas também os dos outros...
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 12:48

eu ando desejosa de mudar para uma casa. mesmo que fique nos arredores de tudo.
Sem imagem de perfil

De Ricardo_A a 02.02.2017 às 12:59

E a seguir apanhas com um daqueles vizinhos que ligam a música na piscina às três da manhã ou que saem com a moto 4 para o passeio matinal de fim de semana ou com o cão que ladra ao portão a todas as pessoas que passam na rua.

Só te safas mesmo com um casebre no meio do mato. Ou, na versão mais fina, um monte no Alentejo com uma herdade a perder de vista.
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 13:00

irra, com esse otimismo todo, vê lá não fiques doente :D
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.02.2017 às 13:34

Eheheh, eu felizmente tenho tido bons vizinhos mas reconheço que é preciso muita sorte. Sobretudo hoje em dia com o péssimo isolamento de chão, paredes e canalizações.

Nos bairros de vivendas os cães são um caso muito pior do que se pensa, seja durante o dia, seja à noite. É uma verdadeira sinfonia. Se fosse para uma moradia acho que tentava encontrar uma casa, mesmo ao fundo de uma rua sem saída.

Eu costumo dizer que quem queira uma casa sossegada à noite é tentar arranjar uma casa no meio do cemitério, sem ser um jazigo. Vizinhança sossegada, silenciosa, asseada, sem bebés, cães, carros e motas barulhentos e que nunca implicam com ninguém, ahahah.
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 14:14

ahahahahahahahahahah

olha que não é nada mal pensado.
Imagem de perfil

De Outra a 02.02.2017 às 13:18

O meu puto quando era muito pequeno fazia das suas e chorava um bocado. Agora chora menos mas levanta-se cedo (muito cedo) e desata a (tentar) atirar tudo ao chão. Levo-o logo para a sala porque penso no desgraçado do vizinho que até trabalha por turnos. Como até os conheço não é rara a vez que peço desculpa pelo incómodo (que sei) que causa. Porque também já ouvi dos de cima.
Não acho certo é o lavar de roupa suja nas redes sociais. Ou no extremo como me fez uma (outra) vizinha que reclamou ao condomínio do barulho da minha máquina de lavar roupa. Antes disso devia ter batido na minha porta que fica...em frente à dela.
Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 14:19

nunca tinha pensado nisso do barulho da máquina... nunca ouvi, em nenhuma casa que tive. ou a tua máquina é muito potente, ou o teu prédio muito silencioso, ou o isolamento muito mau :D
Sem imagem de perfil

De Sofia Marques a 02.02.2017 às 14:12

Aqui depende um pouco dos pais das crianças e dos vizinhos das crianças.

Há pais que levam qualquer observação como um ataque em vez de levarem a coisa na desportiva como tem de ser.
Assim como também há vizinhos que são mesmo umas bestas e entram a matar.

No meu prédio, graças a Deus, somos todos muito pacíficos nesse aspecto, brincamos muito com a situação e somos compreensivos.

Mas numas das reuniões de condomínio, um vizinho queixou-se dos barulhos provocados pelo proveito sem filhos de uma das vizinhas ahahahahahahahahah


Imagem de perfil

De M.J. a 02.02.2017 às 14:19

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAH

E ELA?
Sem imagem de perfil

De Sofia Marques a 02.02.2017 às 14:54

Ela não estava lá... Em tempos (ainda eu não morava no prédio) pediram-lhe para ser mais contida e pelos vistos ela não gostou do comentário e nunca mais apareceu nas reuniões ahahahah

Imagem de perfil

De Quarentona a 03.02.2017 às 23:33

Parece-me que hoje em dia são poucas as pessoas que aceitam um reparo...
O meu filho nas suas primeiras noites de vida, ainda na maternidade, obrigou-me por 2 vezes seguidas a ver o por do sol e o nascer do sol, duas noites seguidas aos berros (e que pulmões tão bem formados que o gajo tinha) de tal forma que me fez pedir mais uma noite de internamento por ter medo de vir com ele para casa e no dia que tive que vir embora da maternidade, as lágrimas corriam pela minha cara. Estive dois desgraçados meses em casa da minha mãe, uma vivenda isolada, mas não impediu que os vizinhos do outro lado da rua ouvissem o berreiro. Ainda hoje estou para saber como é que a CPCJ não me bateu à porta...
Imagem de perfil

De M.J. a 06.02.2017 às 10:30

a tua mãe é uma santa, só o que te digo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.02.2017 às 10:23

Ora bem, aqui uma mãe de um filho que até aos 3 meses berrava dia e noite com cólicas, etc...e não havia nada a fazer além da medicação que já tomava digo que é só muito estúpido chamar a atenção de recém pais por causa do choro de recém-nascidos. Lembrem-se que esses pais e mãe também não dormem nem, de dia nem de noite, estão completamente esgotados, muitos nem conseguem comer, tomar banho ou sequer ir à casa-de-banho. Embora nada justifique vir lavar roupa suja para as redes sociais, lembrem-se que excepto se a criança for vitima de negligencia ou maus tratos não há nada a fazer para evitar que chorem e antes dos vizinhos os primeiros a querer dormir e descansar de certeza que são os pais.
Imagem de perfil

De M.J. a 06.02.2017 às 10:30

bom dia.
é exatamente a esse tipo de pensamento que eu queria chamar a atenção no post e, pelos vistos, não consegui.

"e antes dos vizinhos os primeiros a querer dormir e descansar de certeza que são os pais."
certo. não ponho isso em causa. nunca pus. mas a i) a decisão de ter uma criança foi dos pais, não dos vizinhos e, consequentemente, as consequências que daí advém também é dos pais, não dos vizinhos. ii) o facto de os pais estarem esgotados não justifica que os vizinhos também tenham de estar. iii) são os pais que têm de tomar medidas ou, pelo menos ter a percepção de que os vizinhos não têm culpa dos filhos que decidiram pôr no mundo. iv)os pais têm - pelo menos algum tempo - licença de maternidade. os vizinhos não.
por que raio é que quem não tem absolutamente culpa nenhuma de uma situação é que é o mau da fita quando se queixa por algo que não provocou? não entendo.

Comentar post



foto do autor