Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




depois de um dinheirão em tratamento de cáries (sim, os dentes não doíam, não tinham aspecto de estragados mas havia ali bicheza a corcomê-los e eu não sabia);

depois de um dente do siso que deu ar de sua graça e me fez verter mais sangue que um pito em dia de matança;

depois de uma cena estranha na língua que vai ser tirada tarda nada e levada para análise (porque nestas coisas nunca se sabe, não é? a senhora compreende. não se preocupe muito que é - quase - só por segurança);

veio a avaliação do aparelho porque o dentista insistiu que eu tinha um grave caso de oclusão facilmente tratável.

 

desloquei-me à clínica a arrastar as pernas pensando:

  • que corro os dentistas todos do sítio e podia até, quem sabe, marcar um jantar com eles no fim a festejar, numa espécie de término de ano lectivo;
  • no meu aspecto ridículo se o aparelho fosse em frente;
  • no dinheirão que teria de gastar;
  • nas dores que aquela porcaria ia causar.

 

mas o que aconteceu senhores... pois bem, aconteceu algo que não podia imaginar - jamais - e para a qual não estava preparada:

é que, segundo a dentista, o aparelho não ia resolver nada. a melhorar o aspecto ia dar cabo da estrutura da boca (ou outra coisa qualquer que ela disse e não memorizei) e que portanto, tínhamos de pensar noutra alternativa.

 

não imaginem que tenho dentes de coelho, tortos de uma maneira descomunal que me impedem de fechar a boca, mantendo aquele ar aflito de quem vai roer qualquer coisa a todo o minuto.

aliás, tendo em conta a situação são até bastante discretos.

mas qual situação M.J.?

perguntam vocês aos saltinhos todos curiosos. 

uma situação delicada que põe quatro dentes a bater uns nos outros - atrás - e nada mais.

numa dentada aberta estranha que eu - na minha inocência de quem nunca apreciou dentes - achava ser relativamente normal.

 

só que não.

não mesmo.

e parece que a solução num primeiro diagnóstico é ir à faca.

ou neste caso à machada.

ou ao cutelo porque se vamos deslocar maxilares e voltar a recolocar não me parece que uma faquita seja eficiente:

é com machado ou cutelo ou serra. 

sim senhor. 

muito bonito.

 

dá todo um novo a sabor àquela coisa do "vou ali enfiar a cabeça debaixo de um camião e já volto".

só que desta vez posso não voltar. 

 

é que sinceramente!

 

(sim, eu sei, voltei, estava encerrada até à páscoa mas senti tanta falta que ressuscitei mesmo sem sexta feira santa- depois explico).

 

F I.png

vem ter comigo ao facebook - aqui,  e instagram - aqui

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

oh vai ver ali:

publicado às 12:50


8 comentários

Imagem de perfil

De Gaffe a 29.03.2017 às 13:35

Não é antes "mordida aberta"? (não confundir com "morada aberta" que faz parte da bruxaria).
Se for mordida aberta só tens de usar uma goteira (em casos mais graves um aparelho corrector).
Só podes sofrer um deslocamento do maxilar e ficar com os "queixos caídos" - literalmente. Nada que não se resolva na urgência... com um murro.
;)
Imagem de perfil

De M.J. a 29.03.2017 às 14:15

é isso!!!! mordida aberta (mordida, dentada vai dar ao mesmo na minha cabeça :D acaba em comer).

o que é uma goteira?
deve ser grave que a mulher quer que seja operada...

queijos caídos como? dentes de baixo para um lado e de cima para o outro? e onde fica a lingua e os outros apetrechos bocais? :D

se fores tu a dar o murro vou já de boa vontade.
Imagem de perfil

De Gaffe a 30.03.2017 às 09:37

Já viste um pugilista a entrar no ringue?
Pois o rapaz coloca uma goteira na boca exactamente para proteger os dentes e a mandíbula.
Não te preocupes, a goteira que provavelmente vais usar não é tão excessiva.
:)
Imagem de perfil

De Gaffe a 29.03.2017 às 13:53

Sou tão bruta!!!

(Mas olha que me preocupo. A melhor forma de te despreocupar é esta que encontro.)
Imagem de perfil

De M.J. a 29.03.2017 às 14:17

(eu sei.
além disso não estou nadinha inclinada para uma cirurgia (sobretudo se a recuperação for muito lenta).
a mulher disse que isto não é propriamente uma doença e que tirando as dores nas articulações, dores de cabeça e possibilidade de deslocamento no maxilar não há mal ao mundo. a questão é que já sinto uns estalos de vez em quando e tenho medo que um dia destes fique de boca aberta forçada. com o meu pânico era menina para deixar de respirar mesmo com a boca escancarada e o nariz desobstruído).
Imagem de perfil

De Gaffe a 29.03.2017 às 16:12

Creio que não se trata de "mordida aberta" pelo que me contas.

Não sou estomatologista, mas sei que o que se passa contigo provoca dores de cabeça e articulações, "estalidos", ranger de dentes e pode deslocar o maxilar. Podes realmente ficar com ele "caído", de repente e no meio de um sorriso todo profissional para o Sr. juiz de Direito. O homem ia ficar orgulhoso...
A verdade é que tens de tratar esse problema, custe o que custar.
:)
Segundo o pouco que sei, não é necessária uma cirurgia. Podes ter de arrancar os dentes do siso e resolver o assunto com o uso de uma "goteira" que é utilizada apenas quando dormes.
Imagem de perfil

De Outra a 29.03.2017 às 14:57

Tenho uma amiga que foi operada assim ao maxilar (acho que o de baixo se chama mandíbula) e teve os dentes de cima "amarrados aos de baixo" durante um bom mês (até que sarasse). Comia (bebia) tudo de palhinha. Mas ficou impéc. (no caso dela o maxilar era mesmo proeminente, teve de ser).
Alguma gafe médica, corrige-me Gaffe. ;)
Imagem de perfil

De Gaffe a 29.03.2017 às 16:42

É difícil certificar ou corrigir o que dizes, porque sou uma nulidade em estomatologia.
Pelo que contas foi provavelmente uma correcção estética da mandíbula (ou maxilar inferior) e não um caso idêntico ao da MJ.

Mas acredita que eu só parto dentes. Não imagino como se consertam.
:)

Comentar post



foto do autor