Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




vacinas

por M.J., em 15.02.16

tenho uma colega que foi mãe faz duas ou três semanas. nunca fomos propriamente amigas. veio recambiada dos amigos de uma anterior relação e ficou nos conhecidos do facebook apesar da relação ter ido à vida. a minha e a dela.

sempre foi do tipo enfim, não diria estranho - que estranhos somos todos - mas alternativo. com garra. com força. vegetariana, um cabelo gigantesco que se recusava a cortar e acolhia um monte de gatos, doentes, desgraçados, sem uma orelha ou uma pata dentro de casa. um dia teve uma espécie de discussão à nossa frente (minha e do anterior) porque o namorado olhava a shakira que se rebolava na tv. que ela (a shakira, ressalve-se) era o estereótipo da degradação e instrumentalização da mulher. pensei que se eu própria soubesse dar assim à anca e tivesse aquele palminho de cara não me importava nada de ser degradante. 

seria uma degradante boua, giraça e rica. assim sou degradante na mesma mas eu mau.

adiante: a rapariga pariu (a shkira também, é certo, só eu é que não, bem se vê que algo vai mal no mundo). como é que eu soube?  pois que tanta alternatividade não se coíbe de colocar as trombas do puto (confesso que pode ser uma menina, são todos iguais e eu não reparei no nome) no facebook. que a criança ainda podia estar cheia de gosma uterina  visto que teria horas quando as suas lindas fuças foram assim expostas ao mundo. não foi um pézinho, uma mãozinha, nadinha. vai a criatura toda que é para as gentes verem.

e é isso que te apoquenta, M.J.? nada me apoquenta meus senhores, mas não é disso que se trata este post. pois o que me começou a dar alguma espécie foi a maneira como a rapariga decidiu partilhar o evento e os acontecimentos posteriores:

* pariu em casa acompanhada de uma parteira e usou a frase: "abri-me e abriu-se o mundo em mim"; (não é poético? o  verbo abrir dá todo um encanto a qualquer frase onde se use. se fosse abriu-se-me, então, era coisa para deixar a multidão em delírio)

* decidiu partilhar as suas convicções quanto à vacinação da criança: pois que não quer. e há um monte de estudos que publica para comprovar que não, as vacinas são feias, porcas e más e a criança há-de ser saudável sem essas modernices vindas em picas más, dadas por médicos interesseiros.

não é bem?

eu por mim, se emprenhar, tenho dito: a criança toma as vacinas todas e ainda as que houverem sobresselentes,tudo dado com uma seringa das grossas, que se eu me "vou abrir e o mundo abrir-se em mim" sem morrer de dores, a criancinha pode bem aguentar um espeto na pele a abrir-se também.

ai que eu leio cada coisa. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


91 comentários

Sem imagem de perfil

De me a 15.02.2016 às 18:09

Vcs escrevem mto e n consigo acompanhar tudo :p
Língua afiada, eu quero acreditar q as vacinas constantes no plano nacional de vacinação foram estudadas e analisadas convenientemente (n destruam os meus sonhos, por favor) ;)
Aliás, mais recentemente conseguiram tornar gratuita a da meningite, cuja classe medica, em peso, há anos q queria incluir.
A das gastro's q referes n é do plano, quem quer dá quem n quer n dá. Eu por acaso dei. Mas conheço quem tenha optado por n o fazer.
E por exemplo esta nova da meningite, no inicio a pediatra do miudo disse p aguardar, entretanto disse q sim, q se fosse ela dava e lá fui eu largar os 90 euros (pela primeira dose, acho q ainda são mais 2).
Eu compreendo os receios com as novas vacinas. Eu tb os tenho. Agora vacinas com anos? Desculpem mas acho essa malta doida.
Imagem de perfil

De Psicogata a 15.02.2016 às 18:36

Eu acho que tem de haver mais calma nestas coisas, tudo o que envolve decisões com crianças parece o fim do mundo.
O que eu disse é que só colocam as vacinas no plano nacional de vacinação quando o custo/beneficio é benéfico, no caso da meningite chegaram à conclusão que era melhor incluí-la.
Dei o exemplo da vacina para a gastroenterite que em que situações especificas pode não justificar sujeitar um bebe de 9 meses a ter a doença quando ele no seu dia-a-dia não está sujeito a apanhar a doença.
Imagem de perfil

De M.J. a 15.02.2016 às 18:51

Não percebi a menção à calma. :)
Sem imagem de perfil

De me a 15.02.2016 às 19:28

A questão da vacinação de facto perturba-me bastante, mas nem é por serem coisas de crianças. Acho mm um profundo acto de egoísmo alguém achar q tem dto a não vacinar os seus filhos q vão privar com outras crianças. Obviamente refiro-me a vacinas do plano obrigatório.
Se n há surtos de sarampo é graças à vacinação. E essas pessoas n têm, no meu ver, dto a expor o meu filho só pq acham q n devem dar. Isolem-se se pensam assim.
Como disse acima a vacina da gastro n é obrigatória, e até já admiti ali em cima q se o meu filho n tivesse ido p a creche n a teria administrado.
Eu compreendo os teus receios e o q dizes. Acredita q sim. Eu evito ao máximo o uso de antibióticos ou qq medicação em geral e sou mto receosa relativamente a novas medicações ou vacinas. Mas coisas testadas e em uso há mais de 20 anos...epa. a organização mundial de saúde tb é capaz de perceber alguma coisinha disto, não!
Imagem de perfil

De Psicogata a 16.02.2016 às 09:26

O problema como eu referi logo no início é serem radicais, leram que as vacinas fazem mal e decidem não dar nenhuma sem qualquer critério. Isso é óbvio que não concordo. Assim como não concordo com quem diz que se devem dar todas as vacinas disponíveis. Existem muitas vacinas disponíveis vamos da-las todas só porque estão disponíveis? Penso que não, penso que algumas, reitero, algumas, deixam espaço para ponderação.

Comentar post