Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




ainda não chegamos a meio...

mas lá chegaremos.

por M.J., em 26.03.20

ontem recusei-me a ver notícias depois do almoço.

sinceramente uma pessoa deixa de conseguir aguentar o bombardeamento diário de más notícias. há um nível que se consegue absorver, depois deixa de ser possível sobretudo quando a única ação a tomar é sentar-nos e esperar.

 

não consigo mais com o bombardeamento de coisas más.

há uma qualquer morbidez doentia do universo que nos atira à cara, constantemente, mortos, feridos, doentes, fome, crise, gente com medo, gente com muito medo, gente a morrer de medo.

e há um limite para o que conseguimos assimilar até o cérebro desligar por pura proteção.

 

cada um se queixa do que sente e do que lhe dói.

e todas as queixas são válidas. não há umas mais válidas do que outras porque só quem está no convento sabe o que lá vai dentro e, neste momento, estamos todos lá enfiados, proibidos de sair num voto de isolamento qualquer. 

e a maioria de nós não sabe ou não quer rezar. 

é isto.

 

não vi notícias.

estamos todos pendentes, numa espera qualquer que nos vai levar a algum lado ainda que o lado, visto rudemente, pareça a bancarrota.

mas não pode ser de outra forma, porque o outro lado é a morte. e morrer é fodido, já sabemos. da bancarrota podemos erguer-nos, já da morte, meu amigos, nem para quem acredita em deus há salvação.

em alturas de páscoa, só um ressuscita e foi só uma vez.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Hoje pela primeira vez desde que isto começou (e ainda foi há tempo nenhum) acordei assustada, cansada e sem paciência. As dúvidas do amanhã são imensas. Mesmo que o pior se evite (e duvido disso) que a pandemia se controle... que será de nós depois? Quantas empresas vão falir? Economicamente como sobrevive um país que para? Como pode haver dinheiro para medidas sociais se as empresas não laboram e não podem pagar impostos? . . A claustrofobia dos meus pensamentos aliada a um bebé que não pára e não deixa pensar obrigaram-me a sair ao sítio onde nunca anda ninguém. . O vento na cara fez milagres. E depois o altruísmo da @carmencjp fez-se sentir e sempre a um metro de distância veio trazer-me legumes que tinha a mais e pão caseiro que fez... com luvas. E uma flor. . E as lágrimas de medo transformaram-se em lágrimas de comoção, de agradecimento e de esperança. . Todos juntos, nos pequenos gestos, nas pequenas coisas, ultrapassamos isto. ❤❤ As, e se ansiedade vos consumir e tiverem mesmo de sair escolham sítios isolados. A quarentena vai durar muito. Demasiado tempo. Não aguentamos todos fechados meses. É preciso apanhar ar nem que seja dentro do carro, sem sair, com as janelas abertas. #altruimo #amizades #amizade #obrigada #agradecer #ansiedades #eagoraseila #legumes #covid

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

apetecia-me gritar muito alto.

temos tendência a querer culpar e/ou ser o outro porque não sabemos fazer de outra maneira.

quem trabalha quer ficar em casa, quem está em casa quer ir trabalhar.

quem vai passear o cão queria ir às compras, quem vai às compras queria estar em casa, quem está em casa queria ir passear o cão.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

São permitidos pequenos passeios higiénicos. Nós fazemos 25 minutos diários num sítio sem ninguém. . Lembrem-se: 15 dias de recolhimento não são 15 dias de vacinas. Isto não vai ficar tudo bem daqui a 15 dias. A cura não vai chegar em 15 dias. Não vamos todos abraçar-nos em 15 dias. | Vai durar muito. Vão ser meses. Muitos. Cabe a nós adaptar-nos, adquirir resiliência e não achar que a culpa é dos outros, é aos outros que cabe fazer algo, são os outros que precisam de acabar com isto. | Os outros somos nós. Não desesperem, tentem ficar em casa, se puderem, e preparem-se lentamente para uma longa batalha que, felizmente, podem combater no conforto do sofá. | Um dia de cada vez com os olhos no dia de amanhã, deve ser o lema. E falemos. Convivamos digitalmente para que a solidão não nos consuma. Estamos-todos-ao-mesmo. . . . #coronavirus #covid #covid19 #pandemia #pandemic #isolamentosocial #fiqueemcasa #stayathome #ficaemcasa #ficaemcasacaralho #liberdade #resiliencia #paciencia #adaptar #adaptação

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

todos opinam porque, sejamos francos, não há mais nada a fazer.

já se fez pão, já se fez bolos, já se desenharam arco-íris. já vimos diretos no instagram (há mais diretos do que gente para os ver), já vimos o rodrigo guedes de carvalho a falar grosso e dar sermão. já vimos o bento rodrigues a quase implorar-nos para ficar em casa. já limpamos e desarrumamos a casa. já saímos com e sem máscara. já dormimos tudo o que estava em falta ou não dormimos nada. já fizemos tudo e não resta grande coisa a não ser opinar.

isso e rezar.

e engordar.

ou emagrecer se for o caso de não haver dinheiro para comprar comida.

 

opinamos porque caso contrário morremos sufocados.

e portanto, a culpa é do governo, a culpa é da china, a culpa é do vizinho, a culpa é dos cães, a culpa é dos velhos, a culpa é nossa.

e já ninguém aguenta com esta merda porque não fomos ensinados a aguentar tal coisa.

e ninguém aprende como viver numa pandemia de uma quarta para uma sexta. é impossível.

 

não sei como é que se estão a aguentar desse lado.

espero que minimamente bem.

que não percam a sanidade mental ou a perspetiva. que não caiam na angústia de sentir que isto é para sempre porque não é.

ou que achem que daqui a uma semana está tudo resolvido porque não está.

 

espero que não romantizem esta merda.

não tem nada de romântico. nem de bom. que não se encham de ideias que é fixe para o crescimento pessoal, para aprenderem a ser melhores ou para valorizarem um cu limpo.

isto não é romântico, nem belo, nem tem assim tanta coisa positiva.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Há dias em que parece que não vai nada ficar tudo bem. Na verdade, acredito que apenas vai ficar mais ou menos. É o que é. Se assim for já não é mau. | Há uma semana que acordo às seis da manhã e não consigo dormir. Encontrei um canal de YouTube que me ajuda a "readormecer": é de uma senhora, dos seus sessenta e muito, portuguesa do norte, que se filma a fazer receitas e a mostrar as coisas que gosta: toalhas de renda, louça, flores. Ouvir a senhora, em videos de baixa qualidade, cheia de orgulho nas suas coisas hipnotiza-me. É como se a sensação de irrealidade de tudo isto viesse ao de cima e eu volto ao sono porque só podemos estar a sonhar. | Não sei qual o vosso estado de espírito. Depreendo que se forem pessoas normais não estejam lá muito felizes ou tranquilas ou satisfeitas. Vamos apenas estando, não é? Vamos indo, vamos vendo, vamos estando. . . . . . #coronavirus #covid #covid19 #covid_19 #quarentena #isolamentosocial #isolamento #resiliencia #medo #estadodeemergencia #estadodeespirito #pensamentos

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

mas para sobreviver, que é disso que se trata, é importante que não nos afundemos em considerações de horror. é importante que ainda sejamos nós e que, para isso, tenhamos a capacidade de  ver uma coisa bonita, sentir algo que nos faz bem ou soltar uma gargalhada. 

 

porque quando isto acabar - e vai acabar - temos de continuar na vida. os que estiverem vivos, claro está.

temos de erguer as mangas e prosseguir.

temos de sair das nossas casas, outra vez, e enfrentar o trânsito, o desemprego, a necessidade de não desistir e viver de cabeça erguida.

já o fizemos antes. vamos fazê-lo depois.

 

até lá precisamos de três coisas:

  1. manter-nos vivos;
  2. manter-fisicamente sãos;
  3. manter-nos mentalmente sãos. 

façamos para isso o que precisarmos, dentro das contingências que temos.

eu estou aqui para algum de vós, se vos puder ajudar. 

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Hoje só tiro fotos de coisas bonitas. Só falo de coisas bonitas. Esqueçamos por segundos o medo: vamos olhar uma flor. Esqueçamos por segundos a angústia: vamos sorrir com uma joaninha que apareceu no meu quintal. Esqueçamos por segundos a impotência: vamos saborear uma fatia de bolo de laranja acompanhado de um café. | Um dia de cada vez, não esqueçam. Em casa, um dia de cada vez o melhor possível, da melhor forma. | E a primavera chegou. Apesar de tudo chegou. Não esqueçam: #estamostodosaomesmo . . . . . #flores🌸 #flores #flowers #orquideas #orquídea #orquidea #joaninha #joaninhavoavoa #cafe #coffeetime #cafezinho #cafe☕ #bolo #bolodelaranja #bolocaseiro #covid19 #quarentena #esperança #resiliencia #positivevibes #umdiadecadavez #aveiro #fiqueemcasa #stayathome #primavera🌸

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

publicado às 10:57


1 comentário

Imagem de perfil

De Ana a 29.03.2020 às 11:05

É verdade sim M.J.
Ainda ontem senti uma ansiedade a crescer em mim a pensar "Como vai ser quando a Marta voltar a creche? Já não vai conhecer ninguém. Vai chorar. E quando a voltar a por num carro? Vai gritar. Vai sentir medo quando sair, depois de tanto tempo aqui fechada. Etc..." Começou a crescer em mim uma ansiedade enorme. Só questões. E depois repeti para mim mesma: "Primeiro lidas com isto. Depois lidas com isso". Temos que fazer um grande esforço para não nos deixarmos levar pela ansiedade e pelo medo. Mas o medo está presente. E tem mesmo que estar. Porque é o medo que faz com que sejamos cautelosos.

Comentar post



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada