Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




aulas de preparação para o parto

por M.J., em 21.09.18

não me apetece nada fazer aulas de preparação para o parto.

tem sido motivo de discórdia entre mim, o rapaz e a mamã que insistem no quão seria bom frequentar algumas.

no entanto, a minha vontade é nula.

sinto quase repulsa na ideia de me sentar numa sala, com não sei mais quantas grávidas, muito lustrosas e felizes, a falar de nomes e roupas e ouvir alguém dizer-me que devo abraçar a dor, que se não controlar o esfíncter no dia do parto não tem mal nenhum e que é tudo muito bonito e agradável.

não é nada.

a sério.

de bonito não tem absolutamente nada e a prova disso é que depois de uns três meses de lua de mel com a situação, estou novamente a sentir as mudanças súbitas de humor, a incapacidade de lidar com a situação e a antever cenários atrozes de sangrias, pernas abertas, cortes em sítios onde não é suposto haver cortes, cocós, algálias e profissionais de saúde a contar à noite, em casa, da cena triste da pobre mãe que se cagou todinha a dar à luz.

bem sei. uma grávida não devia dizer "cagou". muito menos escrever. toda ela deve ser serenidade, calmaria, voz suave, mão na barriga, paz, amor e sintonia, vestidos vaporosos e bebés rechonchudos que nunca choram e são a melhor coisinha que o universo fez. 

 

a questão é que me recuso a ir a tais aulas.

provavelmente quanto menos souber do assunto melhor, no sentido em que é mais fácil dominar o cérebro nos cenários que me cria todas as noites antes de dormir. 

estou zangada.

zangada com o fato de não ter aceite - quando me foi proposto - recorrer ao privado e fazer uma cesariana com marcação prévia, acabando-se dessa forma a gritaria, as injeções nas costas (deve lá haver coisa mais agradável do que enfiarem uma agulha no meio da coluna), o não saber quando é que preciso de me transformar num pito de churrasco.

chateada com as dores nas costas que começam a aumentar, as mudanças súbitas de humor e as insónias.

zangada com a situação em que deliberadamente me coloquei apesar de já ter previsto tudo isto.

e se já é mau estar zangada sozinha, sem ter de ouvir ninguém em sorrisinhos constantes a falar de cueiros, cólicas, choros e dentes, não consigo imaginar quão mau será estar acompanhada por 15 ou 16 grávidas que nunca vi, numa sala, a ouvir sobre o que aí vem e que é tão magnífico.

 

há uns tempos, numa insónia deplorável, dei comigo a ler histórias tristes:

mulheres que dormiram uma hora noite durante meses, putos complicados que não paravam de chorar, casamentos que acabaram depois do nascimento dos filhos.

mulheres que tiveram um pontinho a mais na vagina, dado por um médico maroto, para satisfação dos maridos.

mulheres muito orgulhosas de ter ultrapassado mamilos estraçalhados, gretados e cheios de sangue mas a servirem para a sua - pelos vistos única - função natural.

mulheres que morreram no meio de uma marquesa, de perninha aberta e que a última coisa que viram do mundo foi um quarto de hospital depois de nove meses de dores de costas e enjoos. 

mulheres que nunca amaram os filhos e os transformaram em adultos infelizes.

mulheres que deram cabo da vida com a decisão de aumentar a natalidade do planeta, já por si cheiinho de gente a transbordar.

 

não devia ter lido nada disto, bem sei.

sou perfeitamente capaz de idealizar todos os cenários sem precisar de exemplos. se tiver esta ajudinha então o meu cérebro dá pulinhos de alegria e é um ver se te avias de situação bonitas.

sabem aquelas pessoas que não podem ouvir ninguém queixar-se de uma qualquer doença, que espetam nas trombas do interlocutor as suas próprias maleitas, muito piores? do género:

- eh pá, ando aqui com uma dor de estômago...

- ai nem me fale que eu há mais de quinze dias que não faço outra coisa que não seja beber água. não aguento mais nada. na-di-nha. se como qualquer coisinha são vómitos de jacto.

ou:

- olhe, caí e desloquei um pé...

- pois saiba o vizinho que tem muita sorte. eu estava sentada no sofá e ao levantar-me, mesmo sem cair, parti uma perna, o cóxis e a bacia. 

o meu cérebro é isso. é o típico:

- o quê? pode doer um bocadinho? a ti vai ser traumático.

- o quê? há quem não controle o esfíncter? tu vais ter a maior diarreia da história da maternidade.

- o quê? há mães que não gostam dos filhos? tu, provavelmente, vais ser a fundadora da religião que vai apregoar tal. 

e afins.

 

portanto, não, não vou frequentar aulas de preparação para o parto.

mesmo que a mamã e o rapaz insistam cada vez mais e eu tenha, como única resposta, grandes revirares de olhos (qualquer dias arrisco-me a deslocar os dois de lugar) e um encolher de ombros.

estou estropiada das costas, estive três meses de cama, vomitei como uma fonte, estou a pontos de ver os meus mamilos transformarem-se em bocais de garrafas pelo que me julgo no direito de decidir sobre não passar tempo a ouvir sobre o mundo maravilhoso da gravidez, de como a dor faz parte, e outras coisas agradáveis por parte de gente que não conheço, nunca vi e não me apetece conhecer.

santa paciência, mas não.

se não morrer no parto logo aprendo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

oh vai ver ali:

publicado às 16:43


14 comentários

Imagem de perfil

De Fatia Mor a 21.09.2018 às 18:59

De todo o conteúdo dos cursos de PpP acho que há dois que podem ajudar uma mulher: 1) o treino para o período expulsivo (quando bem ensinado) e 2) as alterações psicológicas, especialmente as do pós-parto, como forma de prevenção da depressão. De resto, apesar de achar que estás a romancear demasiado a coisa (não conheço grávidas lustrosas e nunca as vi assim tão exultantes com a gravidez), acho que há coisas que não são, de todo essenciais. Mas informa-te, porque há a possibilidade de, em determinados cursos, fazer sessões privadas, escolher os conteúdos que queres abordar, etc. Claro que tudo tem um preço, mas não perdias nada em informar-te melhor. Ah! E também há a parte de envergonhar os pais nos módulos de puericultura, em que eles trocam fraldas e dão banhos a bonecos "bebés" anatomicamente correctos. Vale a pena ver isso... Dei muitas e boas gargalhadas!

P.S. Só fiz o curso uma vez e chegou.

Comentar post



foto do autor