Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




banalidades

por M.J., em 17.10.18

tenho a sensação que estou a brincar aos crescidos. 

que acordei um dia de manhã e, toda contente, entrei na minha casinha de bonecas e disse "eu sou a mãe, tu és o pai e esta é a nossa casa". e que tudo ia correr da forma planeada, com uma caixa a fazer de fogão e bolos de lama às refeições.

tenho 31 anos e não estou minimamente preparada para este mundo de adultos.

e zango-me comigo própria - no correr dos dias e da pressão, na imensidão de merdas sem fim - por me ter colocado nisto propositadamente. 

 

não percebo.

estava no pleno controlo da minha vida.

fazia os meus horários com uma retribuição bem acima do razoável. tinha um apartamento arrendado por uma renda excelente, a cinco minutos do centro da cidade, com um senhorio absolutamente prestável, pronto a ajudar mais como pai do que senhorio.

passava férias quando me apetecia e, pela primeira vez desde que me lembro, sentia-me perfeitamente confortável na minha pele em todos os aspetos. incluindo financeiro.  

estava no controlo e a segurança disso preenchia-me os dias e as horas.

a vida era um rio sereno e as agitações de potenciais marés eram resolvidas facilmente nos intervalos.

 

depois - num impulso sem qualquer justificação lógica - decidi que afinal queria mais, mesmo que não fizesse a mínima ideia do que isso significava em termos de exigência. 

é claro que o meu corpo, o desgraçado sofredor das consequências da minha psique, decidiu avisar-me: não.

assim, um não afirmado com a mesma facilidade com que lhe dei chocolates durante anos.

e também é claro que eu devia ter percebido e continuado naqueles que eram os meus dias. devia ter encolhido os ombros e concordado, tomando os meus cafés na varanda, soprando os chás quentes a aquecer as mãos e sentindo-me perfeitamente feliz pelas horas. devia ter visto que aquele não não era problema algum mas sim a possibilidade de não me meter em trabalhos e continuar no controlo do rio sereno da minha vida.

 

como é evidente, neste meu historial de idiotice de decisões, não quis. 

e decidi contrariar o não que me foi dado.

resultado? o mundo resvalou e não tenho mais a tranquilidade dos dias.

 

não controlo a vida, os acontecimentos ou o meu corpo.

sou dominada por quem não sou e perco-me no meio dos cenários mais negros.

de repente tudo acontece e percebo, muito sensatamente, que não sou esta pessoa.

que devia ter percebido, quando disse não a mim mesma, que essa era a solução. que não devia armar-me aos cágados e engravidar, comprar casa e fingir que sou mais uma adulta muito consciente do que faz.

devia ter tido a plena consciência que possivelmente sou mais uma miúda imatura a brincar, quando acorda de manhã, no seu cenário de bonecas.

 

estou à espera do que aí vem e nada me parece famoso.

há leslies e furacões, incêndios, desgraças, doenças e tristezas que se formam na minha mente e me apontam o dedo, todos contentes, por ter querido ser quem não sou.

não é simpático e não me parece que seja só hormonal.

 

a avó disse-me uma vida toda:

quem nasce lagartixa nunca chega a jacaré.

eu ignorei-a e claro, o mais certo é que daqui a uns meses... nem lagartixa nem jacaré.

já esteve muito mais longe. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10


8 comentários

Imagem de perfil

De amarquesademarvila a 17.10.2018 às 11:28

Já eu tenho 45 e ainda ando a brincar aos adultos... e não me estou a adaptar nada bem, diga-se! Estava bem melhor como adolescente/jovem adulta... A diferença entre mim e o teu texto é que já não me prendo a pensamentos catastróficos... venham as desgraças todas, não penso nelas por antecipação... já o fiz! Deixei de o fazer! Isso não era, para mim viver, era morrer a cada dia que passava...
Não concordo com a tua avó! Acho que todos podemos chegar onde quisermos e até onde nos propusermos a ir... o pensamento contrário é apenas cómodo e serve-nos de desculpa para não levantarmos o rabo do sofá ou para quando as coisas são nos correram bem.
Crescer está na nossa cabeça! Sermos adultas é um estado de espírito e não aquilo que a sociedade entende por "ser adulto".
Beijinho
Imagem de perfil

De Quarentona a 17.10.2018 às 12:43

Émejóta! Não gosto nada de te ler assim... :((((
Imagem de perfil

De Outra a 17.10.2018 às 13:01

Vejo mais que tudo o medo. Sobretudo medo de aceitar que as decisões que tomaste possam anão ser aquelas que sempre desenhaste para ti...É fácil achar que tomamos uma má decisão quando olhamos para o conforto em que nos tínhamos instalado...Mas daqui a uns tempos nestas banalidades estarão a vista desta casa e todas as coisas pequenas que farão grandes os teus dias, vais ver.
Um beijinho
Imagem de perfil

De C.S. a 17.10.2018 às 14:54

Tu andas a brincar aos adultos e eu ando a decidir continuar miúda pelo máximo de tempo possível.
Imagem de perfil

De David Marinho a 17.10.2018 às 17:21

Pareço eu, a não querer errar por nada e ter de sofrer consequências. Mas não há nada a fazer...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.10.2018 às 17:41

"(...) decidi que afinal queria mais, mesmo que não fizesse a mínima ideia do que isso significava em termos de exigência.(...)"

Claro que não fazia ideia....não se culpabilize de nada. Não entre em sofrimento.
Conheço (tão bem) esses atropelos da mente , esses sufocos que nos paralizam.
Sei que nestas alturas tudo o que nos rodeia nos estrangula. Seja indulgente consigo. Permita-se essas incertezas. Permita-se ser você própria( mesmo cheia de furacões, de tempestades...). Não está sózinha e sabe disso. O Amor que a rodeia é tão açucarado. E...caramba.....só nessa barriga estão quase 4kg de açucar puro!!
.......
Isto é para si:

"Passar à outra margem não significa necessariamente uma deslocação para outra parte diferente daquela onde já nos encontramos. Às vezes tudo o que nos falta é habitar a nossa vida de outro modo. É simplesmente caminhar com outro passo pelos caminhos que já fazemos todos os dias. É abrir a quotidiana janela, mas devagar, tendo consciência de que a abrimos. É reaprender outra qualidade para um quotidiano talvez demasiado abandonado às rotinas e aos seus automatismos."

José Tolentino Mendonça, in "O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas"

Beijinho virtual.






Sem imagem de perfil

De M a 18.10.2018 às 10:04

Não stresses. Estás bem de saúde, tens um marido e família, tens casa própria, tens trabalho, vais ter um filho. Tens verdadeiramente algum motivo para te preocupar? Deixa essa ansiedade para quando algo de realmente mau e inevitável aconteça (porque infelizmente irá acontecer um dia, quando envelheceres, quando alguém próximo tiver um problema de saúde/falecer, isso sim são verdadeiros problemas).

Pensa nos milhões de pessoas antes de ti, em Portugal e noutros sítios do mundo, que já fizeram essas coisas antes. Já foram adultos, já trataram dos assuntos por eles próprios, já foram pais, não é assim "such a big deal". Tantas pessoas em situações piores que a tua e que o fizeram, porque não hás-de conseguir tu fazer? Claro que és capaz, somos todos! Aproveita o momento, vive esta fase ao máximo!

Somos da mesma idade e também estou grávida e sinto precisamente o oposto: estou exactamente no lugar onde quero estar e isto é tão melhor/mais fácil do que parecia. Felizmente já passaram aqueles anos de "perda de tempo" (como os vejo) da adolescência e Faculdade, em que me sentia uma outsider do que era suposto fazer enquanto jovem da minha geração porque não gostava daquelas coisas e sentia que tinha tanto tempo livre e tão pouca autonomia para o aproveitar. Agora felizmente vivo a vida que quero viver, junto dos que amo e me são próximos e sem ter de fazer fretes com pessoas/actividades que não me dizem nada, com tempo e dinheiro para fazer as escolhas que nos fazem sentido enquanto família. A única coisa que tenho medo e que me aperta o coração só de pensar é de quando perder os meus pais (que amo mais que tudo), ou se acontecer algo ao meu marido, à filha que ainda está na minha barriga ou a mim. E pensar que a vida é tão boa mas infelizmente um dia vai acabar. Daí sentir sempre que temos de a aproveitar ao máximo enquanto tudo está bem e que estas mudanças tipo comprar casa (também comprámos no ano passado) ou ter um filho são o que nos faz sentir as emoções à flor da pele, evoluir e viver ao máximo.
Perfil Facebook

De Olívia Batista a 03.11.2018 às 22:16

O mundo precisa disto! De gente que não tem medo de arriscar, e de gente que mesmo com medo e sem perceber bem porquê.. arrisca!

Comentar post



foto do autor