Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




da fotografia

por M.J., em 10.12.19

quando eu tinha 4 anos, o meu único tio materno casou-se e eu fui a menina das alianças.

foi o evento familiar do ano. compraram-me um vestido idêntico ao noiva, levaram-me ao cabeleireiro e fizeram-me um intrincado carrapito na cabeça (chamado ternu) com flores minúsculas brancas a imitar rosas.

adivinho a alegria e o orgulho da mamã.

no entanto, no meio de tanto preparativo e animação, ninguém me avisou para o facto de ter de subir ao altar sozinha e, pior do que isso, ter de entregar as alianças que carregava com toda a responsabilidade, ao senhor padre.

pelo que, a meio da cerimónia, desatei num pranto inigualável, aparecendo depois, como é evidente, a chorar, de beiço, com lágrimas, despenteada e vermelha em todas as fotografias seguintes. e mesmo no fim da cerimónia, ainda estava a M.J. em prantos, descabelada e feia a provar à mamã, em todas as fotos para a posteridade, que a minha simpatia como criança era inexistente.

 

acontece que no mês passado o miúdo tirou as fotos da praxe na creche. 

compramos-lhe umas jardineiras à moda, dei-lhe banho naquela manhã, penteei-lhe o cabelo à justin bieber (a única forma de ajeitar o cabelo meio alourado dele, da forma como cresceu) e levei-o num orgulho só para a creche.

quando o fui buscar, ao final da tarde, a educadora disse que ele chorou na hora da foto, que estranhou os fotógrafos e que, mesmo ao colo dela, tinha sido muito difícil a foto de grupo.

ok, pensei, e desvalorizei.

 

pois meus senhores, ontem chegaram, finalmente, as fotos da creche.

eis que abro, numa sofreguidão que só visto: o miúdo aparece com ar meio estranho na foto individual mas, ainda assim, normal.

e a foto de grupo?

pois que ainda me vêm as lágrimas aos olhos, das gargalhadas que dei, quando me lembro dela:

temos todos os meninos sentados, encostados à parede. nenhum ri mas estão com ar tranquilo, uns meios espantados, outros com a aparência de "mas que raio estou eu a fazer aqui". depois, aparecem as auxiliares sentadas ao lado, com ar alegre e, agora o que importa:

no lugar de destaque, ao colo da educadora que ri com ar feliz, está sua excelência meu filho, com a boca toda aberta, num choro forte e pleno. ali, o único aos berros ao colo de uma educadora sorridente. 

oh-meu-deus.

acho que me engasguei quando vi aquilo e não consegui parar de rir até me doer o estômago. 

 

pronto.

agora vou emoldurá-la e colá-la em grande destaque no quarto da criança, para ele se lembrar, para todo o sempre, como sai à mamã e não vale a pena achar que é original e único:

  • tem os mesmos problemas de pele que eu;
  • berra com desconhecidos como eu tenho vontade;
  • aguenta a dor física - caiu, pisou um olho e nem uma lágrima - mas berra como um bezerro desmamado quando o contrariam, tal qual eu
  • e come como uma pequena betoneira, como não podia deixar de ser, exatamente como eu.

Ai. 

publicado às 11:17


2 comentários

Imagem de perfil

De Magda L Pais a 10.12.2019 às 11:23

eu própria ainda me estou a rir com a foto
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 14.12.2019 às 21:22

Imagino...

Comentar post



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada