Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mimi fala sobre paternidade

por M.J., em 29.03.16

e diz Mimi:

babysitter.jpg!Blog.jpgMimi tem pai, que teve um pai, que teve uma porcaria de um pai.

Mimi conheceu vários rapazes jeitosos, mas um chegou onde outros não chegaram: ao querer muito ter um filho com.

Algumas amigas de Mimi gabam com sorriso as ajudas dos maridos/pais dos filhos. Outras queixam-se por se sentirem tão sozinhas na, nem sempre fácil, missão de acompanhar um filho.

A Mimi encontrou um pai de filhos que percebeu que a paternidade não se resume a uns chutos na bola, uns passeios de bicicleta, umas mudanças de fralda e roupa de vez em quando. Ou quantias chorudas que compram os brinquedos mais recentes que calam pirralhos mal mimados.

Ser Pai é mesmo ser (o) mais alto! É ser o maior dos homens. (pobre Flor Bela que não teve um pai assim)

O pai de Mimi é homem para ter mostrado a lágrima que desce se conta alguma tristeza ou alegria desmedida, se vê, na televisão, algo que mexe com o sentir. É homem para ter ensinado o gosto pela música, mas ter mostrado que conhecer as letras e poder chamar as músicas dos outros de canções, porque são um todo, dá sentido maior aos minutos ou horas gastos na companhia dos sons. É homem para ter mostrado que o que fazemos acarreta consequências. É homem para, ainda hoje, me saber doente e tratar de mim com zelo de quem me vê pequenita. A menina do seu papá.

O pai de Mimi teve um pai criado por um imbecil. Como é possível que um parvo foi capaz de fazer despertar tanta doçura no avô da Mimi?

O pai dos filhos da Mimi é um rapaz nascido noutras paragens. Tem uma calma que me faz falta. (Mimi, a stressada) Cresceu com o corpo salgado, os cabelos que se tingiam de queimados por sal e sol. Adolesceu entre tantas e por isso tem uma bagagem maior de experiências. A simplicidade que sabe sofisticar.

Tudo isto faz dele um Pai. Não há cá ausentes ou presentes (é como católicos não praticantes ou desportistas malandros). Ou se é, ou não se é.

Sei que a Vida é pródiga na ginástica. Pinos, cambalhotas, saltos e quedas trazem alegrias, picos de adrenalina e algumas lesões.

Mesmo em pleno sarau gímnico acredito que, por muitos cabelos brancos que apresente, o meu pai me guarda em modo doce e pequeno no sentir e que o pai dos meus filhos terá sempre a preocupação se Ser Mais e Melhor! (agora venham daí os urubus do costume dizer que “sei lá eu como vai ser o futuro e ainda virei para aqui cheia de Mimimimimis escrever sobre as lavagens de roupa em tribunal” Venham todos que eu sei onde se desliga o estupidrometro*)

*Havia avisado que gosto de inventar palavras. Ok?!

 

 

publicado às 13:30



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada